Produtores da região metropolitana já venderam 127 toneladas do produto

Os agricultores da região metropolitana estão conseguindo escoar a supersafra de batata. Em menos de uma semana de vendas na capital, em pontos autorizados pelo município, os agricultores já venderam 127 toneladas de batatas. Também estão sendo vendidos, feijão, maçã e cebola.

A expectativa da Secretaria do Abastecimento da capital, que coordena a ação de venda direta, é de que sejam escoadas perto de 100 mil toneladas de batata até o prazo final da autorização para as vendas, 24 de março.

“Os consumidores responderam rápido e se este ritmo de vendas se mantiver, chegaremos próximo de 100 mil toneladas”, diz o superintendente da secretaria, Humberto Malucelli. A Prefeitura liberou 22 locais para venda direta de batata.

Os pontos de venda são escolhidos pelos agricultores que, por enquanto, optaram por 11 deles. Eles fecharam o valor do produto em, no máximo, R$ 0,40 o quilo das variedades monaliza, asterix, achat e ágata. Além da batata, nos pontos de venda os consumidores encontrarão feijão preto a R$ 1,00 o quilo, cebola a R$ 0,40 o quilo e maçã (gala e fuji) a R$ 2,00 o quilo.

O agricultor Edmundo Bora, de Balsa Nova, divide dois pontos autorizados com outros três agricultores. Juntos, eles venderam até agora seis mil quilos de batata e mil de cebola. “Se não fosse isto, o alimento estaria apodrecendo no campo”, diz Bora.

Os pontos liberados são fiscalizados pela Secretaria do Abastecimento. A licença tem prazo de 45 dias, de segunda a segunda, das 8h às 18h. A Secretaria também empresta barracas do padrão da Prefeitura aos agricultores. Em alguns pontos a comercialização é feita com caminhões.

VEJA TAMBÉM

Caminho certo

É fato que a língua do povo sempre foi afiada e impiedosa. Os juízes da vida dos outros de plantão se adiantam em ser investigadores,

Compartilhe