Iniciando a produção audiovisual em Araucária

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A produção de cinema em Araucária ainda não é levada muito a sério, mas já tem gente começando a semear o audiovisual no município. Jhonny Castro, 24 anos, é um exemplo, há algum tempo o rapaz produz alguns vídeos despretensiosos sobre a cidade e a sua rotina com amigos e já atingiu alguns resultados. “Quando fizemos o vídeo sobre o tubo de ônibus tivemos uma repercussão grande, por conta dele demos entrevista para RPC TV”, relembra apontando um vídeo produzido em parceria com amigos sobre a desativação do tubo na Praça do Seminário.

Mas o cunho não é só político, com algumas referências – não só técnicas, mas também de narração – de televisão como o Programa CQC e de alguns diretores de cinema como Tarantino, Almodóvar e irmãos Coen. Jhonny afirma que sua linha de produção é livre: “A produção que quero fazer eu puxo e o pessoal está sempre junto. Nada disso podia ser feito sozinho. Não sigo nenhuma linha, não tenho a intenção de fazer algo politizado, acredito que a gente tem que fazer o que a gente quer fazer”.

Como contou o estudante de jornalismo, seu interesse pela produção audiovisual começou há mais de anos, assistindo filmes, principalmente os de Hollywood. “Tive uma câmera com 17 anos, na época não era muito boa. Agora estou estudando jornalismo, tenho disciplina de cinema, tenho a minha câmera, boto a cara mesmo”. O cinema surgiu como soma nas suas formas de se expressar, já que Jhonny também trabalha outras plataformas, como a escrita. “Tem coisas que eu prefiro escrever, outras filmar, outras eu prefiro escrever e depois filmar”, aponta.

Jhonny define suas produções como cinema do beco, cinema underground, cinema de guerrilha, “sem compromisso, sem objetivo financeiro, fazer o que der vontade”. Sobre o espaço para o cinema em Araucária, ele afirma que ainda é inexistente, apesar de existirem locais com boa estrutura para exibição de filmes. “Hoje, principalmente, o nosso canal é a internet, mas precisa existir apoio institucional. O Museu Tindiquera, por exemplo, podia ser um local para exibição, tem auditório, mas não lembro de nenhuma vez que ele tenha sido usado para isso. Não sei se nesse momento é obrigação de Araucária investir nisso, mas eles poderiam liberar espaços para reprodução cinematográfica”, conclui.

As produções não param, recentemente Jhonny gravou um vídeo clipe, que julga o trabalho mais complexo que realizou até então com cinema, ainda em fase de finalização. O cinema é um dos objetivos do estudante, sua ideia é utilizar seus espaços regionais para locação dos filmes: “’Assisti Curitiba Zero Grau’, e é uma coisa muito boa ver a cidade que você passa muito tempo na tela de cinema, quero fazer a mesma coisa com Araucária, colocar ela nas telonas”, finalizou. Quem quiser acompanhar um pouco da produção de Jhonny e sua turma, basta procurar os canais “eunaoseicanal” e “araucariaemchamas” no site Youtube.