Araucária PR, , 11°C

Mata mulher e estupra a cunhada

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Mata mulher e estupra a cunhada Mata mulher e estupra a cunhada
Se alguém tiver qualquer informação, favor, informar a Polícia no telefone 190

Quando uma tragédia acontece, por mais que a gente não conheça quem faz parte dela, geralmente somos pegos por alguns sentimentos e muitas dúvidas ficam sem resposta: o que realmente motivou os envolvidos? Por que tiveram que chegar a uma atitude extrema? O que passou na cabeça deles/delas? Por quê? Por quê? Por quê?… Nesse domingo, 26 de maio, é possível que boa parte de Araucária tenha se perguntado algumas coisas que perpassam essas dúvidas, a cidade amanheceu triste com um assustador crime que aconteceu em uma pequena residência no prolongamento da Avenida Archelau A. Torres, no Jardim Juruá.

Homicídio e estupro
Por volta das 12h de domingo, 26 de maio, uma garota menor de idade, 14 anos, entrou em contato com a Polícia Militar informando que tinha sido vítima de estupro executado pelo seu cunhado Wallignton Zarochinsk e que ele tinha assassinado sua irmã Carol Borges, 20 anos, enforcada. Equipe da polícia rapidamente foi até a casa, constatou o fato, isolou o local e encaminhou a menor para o Hospital Municipal de Araucária para os cuidados necessários. De acordo com a Polícia Civil, Wellington era convivente de Carol e a menor de idade morava na mesma casa que eles, juntamente com o filho pequeno de Carol.

Conforme informações repassadas pela Polícia Civil, no hospital, a vítima relatou que perto das 22h da noite de sábado, 25 de maio, Wellington e Carol discutiram algo sobre o casamento. Depois disso, perto das 03h, Wellington acordou a menor de idade e com uma faca ameaçou matá-la, juntamente com o filho de Carol, caso ela não se deitasse com ele. Conforme ela afirmou, após estrupá-la, Wellington saiu de casa, momento em que a menor foi até o quarto de sua irmã e a encontrou morta, em cima da cama, com um barbante amarrado no pescoço.

Investigação
Wellington ainda não foi localizado e a polícia suspeita que ele pode estar na Fazenda Rio Grande, onde parte de sua família mora. A motivação exata do crime ainda não foi identificada, relatos apontam que ele era comumente agressivo com a mulher e que é usuário de drogas. As investigações continuam.