A enxadrista Jéssica Drobrzenski se esforçou e conquistou seu espaço no esporte

Aos seis anos de idade, enquanto muitas meninas ainda pensavam em brincar de boneca, a enxadrista Jéssica Drobrzenski iniciava uma carreira de vitórias. Hoje, com 15 anos, ela é um dos destaques nacionais no esporte e já possui uma galeria de troféus e medalhas de fazer inveja a grandes campeões.

Jéssica começou a jogar xadrez influenciada pelo pai, Gilberto Drobrzenski, que também é detentor de muitos títulos. “Eu ficava observando meu pai jogar e fui me interessando pelo xadrez. Comecei disputando pequenos campeonatos locais e depois fui me aperfeiçoando, com muito treino e estudo para poder chegar aonde cheguei”, conta.

Para a enxadrista, o mais importante no xadrez não é a fama e o sucesso. A prática do xadrez, segundo Jéssica tem sido fundamental no seu desempenho educacional. “O esporte aumenta a capacidade de raciocínio, memorização e criatividade e isso ajuda muito no aprendizado das matérias”, disse.

A enxadrista, que tem como ídolo do esporte a húngara Judit Polgar, também dá um recado para aqueles que estão começando. “Aprender as regras básicas do xadrez é muito fácil, mas ser um grande enxadrista requer muito estudo, dedicação e força de vontade”, comenta.

Jéssica treina xadrez três horas por dia, lê livros e muitas publicações sobre o tema e sempre que pode disputa partidas pela Internet. Isso tudo, de acordo com ela, para estar preparada e enfrentar os desafios que vêm pela frente. E o próximo deles será em abril, onde vai disputar o Brasileiro, buscando uma vaga para o Panamericano, que será na Colômbia, e para o Mundial, na Turquia.

A enxadrista araucariense tem como treinador o pai Gilberto, que a acompanha em todos os campeonatos. “Meu pai sempre me incentivou muito e por isso consegui chegar até aqui”, ponderou.

As conquistas
Em 2001 Jéssica começou a conquistar títulos e daí em diante não parou mais. Foram mais de 20 prêmios, sendo os mais recentes, disputados em 2006, o de campeã paranaense juvenil (Matinhos/PR), campeã brasileira Sub-16 (Goiânia/GO), participação no Paranamericano (Cuenca/Equador), campeã do III Troféu Gazeta do Povo (Clube do Xadrez de Curitiba) e 5º lugar no Campeonato Brasileiro feminino de Xadrez (Americana/SP), onde disputou com os melhores enxadristas do Brasil.

VEJA TAMBÉM

Compartilhe