Weslei enfrentou os tatames na Bolívia, e perdeu na final da categoria 16/17 anos
Weslei enfrentou os tatames na Bolívia, e perdeu na final da categoria 16/17 anos

Como atual campeão do Pan-Americano de Karatê, o araucariense Weslei Camargo carregava sob seus ombros uma grande res­ponsabilidade na competição deste ano. “Eu sabia que os outros atletas estavam focados em tirar meu título, ao mesmo tempo em que a nossa seleção contava comigo”, recorda. Com tanta pressão, o rapaz não conseguiu segurar o ouro pela segunda vez, mas ficou com o vice-campeonato e garantiu sua vaga no Campeonato Mundial.

O Pan-Americano aconteceu na Bolívia entre os dias 26 e 30 de setembro, quando o rapaz precisou enfrentar lutadores da Venezuela, Equador, Colômbia, Canadá e Chile. “Eu fiz todas as lutas muito bem, mas fiquei nervoso na semifinal e principalmente na final, quando acabei perdendo para o chileno”, lamenta.

No entanto, ele garante que o resultado foi excelente e ainda o coloca como o melhor da sua categoria no Brasil. “É gratificante saber que fiz cinco lutas, consegui manter o pódio e agora tenho minha vaga garantida para o torneio que acontecerá na Indonésia”.

Assim como ele, o técnico João Carlin Padilha também ficou satisfeito com o vice-campeonato. “Nós sabemos que um atleta tem futuro no esporte pelo empenho que ele tem. E o Weslei não mede esforços para treinar e se dedicar, tanto é que ele chegou na quarta de manhã, e à tarde já estava treinando aqui no CSU. Por isso, eu sabia que ele conseguiria mais um pódio nesse difícil torneio, que é o Pan-Americano”, garante o sensei.

O atleta lutou com karatecas da Venezuela, Equador, Colômbia, Canadá e Chile
O atleta lutou com karatecas da Venezuela, Equador, Colômbia, Canadá e Chile

Mais uma chance

O atleta Willian Camargo também representou Arau­cária na competição, mas não teve tanta sorte. “Ele foi bem. Inclusive, estava vencendo a luta por 3×0, só que acabou ficando muito ansioso e perdeu de virada para o atleta boliviano”, conta Carlin. “O bom é que ele ainda tem oportunidade de ir pro Mundial porque nenhum brasileiro medalhou na categoria dele. Então, se vencer no campeonato no país, ele vai comigo pra Indonésia”, conta o irmão Wesley, que agora busca patrocínio para realizar o sonho.

Patrocínio

A parte mais difícil para chegar ao Mundial de Karatê deveria ser o caminho para chegar até lá. Afinal, são necessários anos de treino para lutar com os melhores do país, conseguir a vaga na seleção e conquistar o ouro no Pan-Americano. No entanto, Weslei Camargo já entendeu que conseguir patrocínio é ainda mais difícil. “Em toda competição nós temos que pedir ajuda, e isso acontecerá novamente nesse Mundial”, afirma.

Por isso, ele pede que empresários e araucarienses que queiram colaborar com essa conquista entrem em contato pelos telefones 9851-9141 e 9938-1478. “O campeonato será em novembro, mas quanto antes comprarmos as passagens, mais baratas elas ficam”, garante.

Texto: Raquel Derevecki / FOTOS: EVERSON SANTOS / DIVULGAÇÃO

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe