Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Ao longo das últimas semanas, em pelo menos duas transmissões ao vivo realizadas por nossa equipe de jornalismo, fomos abordados de maneira não muito amistosa por familiares das vítimas dos eventos que estávamos cobrindo.
A abordagem dessas pessoas não foi adequada, mas como bem pontuou nosso repórter destacado para a pauta, é preciso também tentar entender o choque pelo qual passavam essas pessoas naquele momento.

É importante destacar também que O Popular recebeu apoio maciço das pessoas que acompanhavam a transmissão, que acertadamente pontuaram que exercíamos o papel essencial da imprensa.

Situações como as vividas ao longo das últimas semanas, no entanto, sempre são analisadas internamente por nossa equipe, de modo a amadurecer o modo como fazemos jornalismo.

Historicamente O Popular adequou sua cobertura jornalística. Deixamos, por exemplo, de estampar em nossas páginas imagens de conteúdo sensível em pautas policiais. E fizemos isso sem jamais deixar de noticiar o fato. Posteriormente, adequamos também a linguagem de nossas manchetes, de modo a diminuir o sensacionalismo dos termos empregados em nossas chamadas de capa. Abortamos também, já há vários anos, o que chamávamos de “Garota Pop”. Uma seção hoje entendida pela sociedade como desnecessária e inadequada e que tinha como único objeto expor a imagem de uma pessoa do sexo feminino vestindo pouca roupa.

Mais recentemente optamos também em não mais manchetar notícias de conteúdo violento. Não abandonamos, porém, a cobertura do setor policial, vez que ele é de fundamental importância para entendermos o que acontece em nossa cidade.

E dentro desse processo contínuo de amadurecimento e compreensão de nossa comunidade, optamos agora em não mais fazer transmissões ao vivo de locais de crime. Não deixaremos, obviamente, de noticiar com a maior agilidade possível essas ocorrências por meio de matérias em nosso site e, posteriormente, os desdobramentos desses ilícitos em nossa edição impressa.

Da mesma forma, procuraremos evitar transmissões ao vivo de acidentes de trânsito que não tenham impactado na fluidez do trânsito. Manteremos as entradas ao vivo somente de ocorrências que prejudiquem o tráfego de veículo e o faremos para – dentro de um serviço de utilidade pública – orientar as pessoas a evitar determinada região, buscar caminhos alternativos e coisas do gênero.

Essa atualização do modo como fazemos o jornalismo local profissional em Araucária tem como objetivo valorizar nossos leitores que buscam notícias que os ajudem a compreender Araucária. Valoriza também nossos anunciantes, que buscam agregar valor a suas marcas e negócios, sempre prezando por sua vinculação a fatos relevantes.

Uma boa leitura a todos!

Publicado na edição 1284 – 21/10/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

Que ano!

A edição de O Popular que você tem em mãos é uma edição que não

Que ano!

Assim como o ano de 2020, o ano de 2021 foi desafiador. Foi estressante. Foi

A penúltima de 2021

A edição de O Popular que você tem em mãos nesta quinta-feira, 9 de dezembro,

O mal pelo mal

Nesse mundo encontramos todo tipo de pessoa, mas há um certo tipo que nos incomoda

Começo, meio e fim!

Tudo na vida tem um início, meio e fim. E não é porque eventualmente não

Um herói araucariense!

Em circulação há 23 anos, O Popular é hoje um arquivo vivo da história de