Álcool e direção configuram uma combinação perigosa, mesmo assim, alguns motoristas insistem em não levar isso a sério e acabam provocando graves acidentes de trânsito. Um deles aconteceu na noite de sexta-feira, 9 de janeiro, por volta das 21h04. Um motorista alcoolizado provocou um acidente no cruzamento das ruas Capivari com a Miguel Bertolino Pizzatto, no jardim Iguaçu.

O condutor do Fiat Uno Mille, placas IIB 9919, Marcelo Martins Gomes, 44 anos, colidiu com a moto CG 125 Fan, placa APM 6460, de Lucas Welter Tavares Santos, 20 anos. Segundo a Polícia Militar, o Uno fez uma curva na contramão e atingiu o motociclista, que ficou gravemente ferido e foi conduzido ao HMA.

Ainda de acordo com a PM, o condutor do Uno foi submetido ao teste do bafômetro, que acusou 0,76mg/l. Ele foi conduzido à Delegacia e seu veículo foi levado para o pátio da 2ª Cia. “Pra piorar a situação, o motorista não tinha carteira e seu carro estava irregular”.

Mais dois

No domingo, 11 de janeiro, outro acidente causado pelo álcool aconteceu na esquina das ruas Begônia com a Prímula, no Campina da Barra. Uma equipe da PM patrulhava a via quando se deparou o Corsa, placas APB 1116, conduzido por Alex Karger, que foi colhido pelo Fiat Palio, placas MED 2631, conduzido por Abraão Aparecido Pereira, 27 anos.

O condutor do Corsa foi submetido ao teste do bafômetro e estava com 0,22 mg/l. Ele foi conduzido à DP. Sua passageira, Maria Claudete Breine, ficou ferida e precisou ser levada ao HMA. Uma terceira ocorrência, também envolvendo embriaguez ao volante, aconteceu na madrugada de segunda-feira, 12 de janeiro, por volta de 1h59. A PM patrulhava a avenida Archelau de Almeida Torres, no jardim Iguaçu, quando se deparou com um Gol vermelho, placas ARC 0948, que trafegava em alta velocidade, fazendo manobras perigosas. O motorista não acatou a ordem policial e fugiu. Ele foi pego durante o acompanhamento tático. Michel Padilha, 19 anos, foi submetido ao teste do bafômetro, que acusou 0,54 mg/l. Seu carro foi levado para o pátio da 2ª Cia e ele para à DP.

Texto: Maurenn Bernardo

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe