Com a derrota em Colombo, a equipe precisa levar a melhor no segundo turno para chegar à final
Com a derrota em Colombo, a equipe precisa levar a melhor no segundo turno para chegar à final

Com uma campanha forte no primeiro turno da Taça Paraná, os meninos do Costeira sabiam que podiam lutar pela vitória e chegar à final. No entanto, o adversário não deu chance para os representantes da cidade-símbolo do Paraná, e o time voltou de Colombo no último domingo, 19 de abril, com uma derrota de 1×0.

De acordo com o técnico araucariense Adilson Soczek, o adversário é um time forte, mas não mostrou isso em campo. “Como precisavam de um empate para vencer, eles só cumpriram o regulamento, e o juiz foi conivente. No primeiro tempo, por exemplo, tivemos apenas 18 minutos de jogo com a bola rolando e o restante com o goleiro deles matando tempo e o zagueiro caindo seis vezes. Foi demais!”, afirma.

Assim, a equipe araucariense não teve oportunidade de mostrar seu futebol e ainda perdeu a cabeça levando cinco cartões amarelos e duas expulsões. “Isso nos deixa com uma tarefa difícil agora porque três de nossos jogadores, inclusive o capitão, estão suspensos”, lamenta.

No entanto, a liderança da equipe ficará com o lateral Richardson, que está animado e confia no potencial de seus colegas. “Nós vamos sair com essa vitória pra trazer a decisão do segundo turno pra nossa casa. Acho que só temos que melhorar na parte defensiva e eu vou orientar o time para isso”, promete o rapaz.

Próximas partidas

O primeiro jogo do Costeira acontece neste domingo, 26 de abril, em Campina Grande. Lá, a equipe enfrenta o time Los Coyudos às 13h e conta com a torcida dos amigos e familiares para levar a melhor. Já o Grêmio Liquigás volta aos gramados da Taça Paraná Adulta às 15h30 contra o poderoso Fanático, de Campo Largo. “Será um jogo difícil, pois temos que vencer se quisermos sonhar com a classificação, mas estamos contando com nosso artilheiro Tiago e um pouco de sorte pra ver o que vai dar”, garante o técnico Paulo Sérgio de Oliveira (Sapo).

Texto: Raquel Derevecki / FOTO: DIVULGAÇÃO

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe