Crianças do CMEI Celia Bomfim Bialeski ganham horta escolar

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma horta na escola é muito mais do que um recurso didático. O contato da criança com a terra e as plantas a aproxima da natureza e faz ela pensar sobre os impactos das suas ações no meio ambiente. Além disso, a horta também pode proporcionar o aprendizado sobre a alimentação saudável e compor a merenda dos alunos. No CMEI Celia Bomfim Bialeski, no bairro Fazenda Velha, essa prática já existe e começou com um projeto de revistinhas mensais que foram desenvolvidas para as atividades remotas com as crianças, durante a pandemia. “A revistinha, sempre com temas diferentes, é impressa e todo mês as famílias vêm no CMEI buscar. No entanto, nossa preocupação era promover essa proximidade entre as crianças e o CMEI, dentro do que a pandemia permitia”, explicou a diretora Claudia Jandira Jankowski.

Segundo ela, mesmo as atividades sendo impressas, são mediadas pelo WhatsApp, e isso levou a direção a pensar sobre a necessidade de trazer mais a comunidade e as crianças para participarem e vivenciarem as experiências no CMEI. “Todo mês que fazemos a entrega dos kits alimentação e também das atividades, buscamos desenvolver a interação das crianças e suas famílias com o CMEI. Para setembro, com a Primavera, as professoras planejaram trabalhar atividades relacionadas ao meio ambiente, e como tínhamos esse espaço que é destinado à horta, decidimos iniciar o projeto. Para colaborar com esse planejamento das professoras, a gente pensou em ativar o espaço e junto com o Conselho Escolar, começamos a nos planejar para colocar a ideia em prática”, explicou Claudia.

O projeto saiu do papel e o primeiro passo foi colocar blocos de cimento, as pedrinhas britas em volta, para que as crianças não sujassem os pés e ao mesmo tempo tivessem um espaço ideal para a irrigação do solo. “Já temos muitos planos para a horta e quando os primeiros legumes começarem a crescer, ela (horta) será batizada com o nome do Sr José Batista de Freitas, que as crianças chamam de vô. Ele, com sua sabedoria e conhecimento, preparou o solo. Depois fizemos um mutirão e organizamos a horta com os tijolinhos e o trabalho de formiguinha aconteceu durante toda a semana. Foi bonito ver os representantes da APPF e do Conselho Escolar, os funcionários e algumas famílias dedicando um tempo para a hortinha. Contamos ainda com o apoio das famílias para a doação das mudas. O pai de um aluno está pintando alguns pneus para que a gente possa formar o pomar, próximo ao parquinho das crianças. A Prefeitura, através da Secretaria de Obras, nos deu a terra, a SMED, pelo Departamento de Estrutura, nos deu as pedras e os tijolos. Todo mundo ajudou um pouco”, comemorou a diretora.

Claudia disse que e a ideia é de que quando a horta começar a produzir, já possivelmente com os alunos em atividades presenciais, o CMEI possa enriquecer o lanche das crianças com os legumes e hortaliças que elas mesmas estarão plantando e cuidando. “E se a produção for excedente, iremos oferecer para as crianças levarem para casa. É uma atividade muito enriquecedora, tanto em aprendizado quanto em saúde para nossas crianças e suas famílias”, pontuou Claudia.

Cada mudinha possui uma espécie de estaquinha com a identificação da criança que fez o plantio, permitindo que assim ela possa acompanhar o crescimento da sua plantinha.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1278 – 09/09/2021

O Popular do Paraná é o jornal mais antigo de Araucária, na RMC. Circula ininterruptamente desde 21/04/1998. Sua edição impressa vai aos pontos de venda sempre às quintas-feiras.

© Todos os direitos reservados 2021