Dentista de Araucária cria vakinha virtual para confeccionar camas impermeáveis para cães do RS

Imagem de destaque - Dentista de Araucária cria vakinha virtual para confeccionar camas impermeáveis para cães do RS
Foto: Divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A dentista araucariense Cris Mattos faz parte dos milhares de voluntários que estão dedicando seu tempo em ajudar as famílias atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Ela ficou oito dias naquele estado, atuando no abrigo de animais da Universidade Ulbra, e pretende voltar em breve, para trabalhar por mais seis dias. Só que dessa vez, Cris pretende levar 500 camas impermeáveis para os cães desabrigados.

“Voltei do Rio Grande do Sul disposta a conseguir camas para os animais e impus um desafio a mim mesma de que iria tentar confeccionar 500 unidades. Corri atrás dos materiais e consegui a doação de meia tonelada de flocos de espuma de uma empresa de estofados e uma grande quantidade de tecidos Napa de uma empresa de colchões hospitalares, já cortados no tamanho de 70x70cm. Porém, ainda não consegui ninguém para fazer a produção, estimada em R$10 por caminha, ou seja, R$5.000. Ainda será necessário um caminhão para levar a produção até Canoas, no Rio Grande do Sul, e o aluguel gira em torno de R$6.000”, conta.

Diante dessas dificuldades, a dentista criou uma vakinha virtual para arrecadar o valor da produção das camas e do transporte. A meta é conseguir R$11.000, mas caso alguma empresa ou pessoa se disponha em doar esses serviços, o valor que a vakinha arrecadar, será usado para confeccionar mais camas. O ID da vakinha “Camas impermeáveis cães RS” é o 4928473 (www.vakinha.com.br/vaquinha/camas-impermeaveis-caes-rs). Você também pode contribuir via Pix usando a chave 4928473@vakinha.com.br

Segundo a araucariense, os itens serão destinados a um dos galpões que mais possuem cães e podem ajudar a amenizar a situação nesse momento de dificuldade. “É nesse abrigo que eu atuo. Limpamos as necessidades de 300 animais por galpão. Passeamos com eles, damos comida, e não é sempre que conseguimos dar conta de tudo. Quando não passeiam, eles fazem as necessidades em seu espaço, presos nas coleiras, e acabam sujando a água, a comida e as camas. Então quando facilitamos em alguma coisa, damos mais qualidade de vida para os cães que ainda estão abrigados.”, declara.

Para mais informações, entre em contato com a voluntária Cris pelo fone (41) 99644-4742.

Edição n.º 1422