Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

O filósofo existencialista Jean Paul Sartre dizia que estamos condenados a ser livres. Ele defendia que temos inteira liberdade para decidir o que iremos nos tornar e o que fazer com nossa vida. Porém, nossos projetos pessoais entram em conflito com o projeto de vida dos demais e é pelo olhar destes que reconhecemos nossos erros e acertos. A convivência parece nos tirar a autonomia de decidir e dá origem a expressão famosa: “O inferno são os outros.”. Às vezes muitos chegam ao absurdo de escolher aquilo que a voz dominante diz preferir, apenas para não ter o dissabor de tomar uma decisão sobre o rumo de suas vidas. Refletir claramente sobre nossas escolhas e evitar sair sem rumo, deixando de fazer as escolhas que definem nossa existência, é o desafio. Domingo, quando nos dirigirmos às urnas para escolher o(a) futuro(a) prefeito(a) e os vereadores(as) de Araucária estaremos frente ao clássico dilema que envolve nossas escolhas: fazer o que é certo ou nos auto-enganarmos. Quem tem acesso aos meios de informação e mesmo os que simplesmente observam atentos a realidade, conhecem a fundo boa parte das pessoas que se candidatam e tem condições de fazer a escolha correta. Portanto, se você comprar gato por lebre nestas eleições depois não jogue a culpa nos outros. Se o(a) candidato(a) ostenta felpudo pêlo de gato, mia como gato, prefere andar se esgueirando silenciosamente pelas sombras juntamente com outros gatos, é porque ele é, sempre foi, e vai continuar sendo um gato. Se ele(a) diz que não é gato, mesmo com todas as evidências de o ser, não é ele que o engana. A condição felina está claramente demonstrada e você sabe disso. Má fé é mentir para si mesmo, ensinava Sartre. Mesmo com tudo que a grande mídia fala da política e dos políticos, em uma verdadeira criminalização espetaculosa desta atividade essencial à nossa organização social, devemos ir às urnas para fazer o bem que nossa consciência determina. Chutar o pau que sustenta a barraca só vai derrubar tudo. Nossa escolha é que vai determinar o futuro da comunidade em que vivemos e que deixaremos para nossos descendentes. Se você tomar a decisão errada, apostando no que claramente é errado, depois não clame ou jogue a culpa sobre os outros. Você é o responsável pela escolha que fez e conhecia o passado do(a) candidato(a), por isso não foram os outros que o enganaram. Analisando cada candidato(a) e comparando suas ações em prol da comunidade, coisa que todos que conhecem Araucária podem fazer, é possível votar em quem não traga desagradáveis surpresas. Aliás, nem de surpresa os prejuízos causados por seu voto errado poderão ser chamados porque já faziam parte do perfil do candidato(a).

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A indesejada das gentes

Poucas situações traduzem tão bem nossa condição humana, como a certeza da morte. Ela é

O epílogo

O fecho de uma narrativa serve de remate para toda argumentação exposta ao longo dela.

Ânsia de chegar

Diversos são os meios de transporte que nos permitem viajar com conforto e rapidez, mas

Fogueira das vaidades

Ao analisar o perfil dos políticos veremos que grande parte deles é movida pela vaidade

Escolhas

A afirmação de que temos os políticos que merecemos geralmente nos é apresentada como atenuante

O voto tem valor

Nos dias de agitação política em que vivemos, facilmente comprovamos a importância do voto dado

Tudo é relativo

Uma das ideias mais fantásticas de todos os tempos, a Teoria da Relatividade de Albert