Desenvolvimento Sustentável | Araucária
Compartilhe esta notícia:

Achegando cunvite do sindicato cunvidando os agricultór pruma destas palestra que vém génte da cidade pra falar palavra bunita lá no salon da igréja, quando vém iéstes falatório iéu sempre fais queston de iscuitar, priméro que sempre aparece palavra nova que iéu non cunhésse, despóis é boa ocasion pra se incontrar com os cunhecido e trocar as idéia de como as cóisa andon na roça. No cunvite dizendo que íon falar dum tal de desenvolvimento sustentável e que o palastrante iéra um graúdon do governo. Cóisa chique mésmo sendo, ponharon inté telon e um destes cumputador de malinha ingatado. Povo todo sentadon nos banco como se fosse cinema isperando hora do falatório, enton rapaiz falô boa Nóite e cumeçô contando que tudo que se pruduiz na roça pode sér miorado de fórma a persevar natureza, usando os resto pra pruduzir energia e miorar o solo, tendo maior pruduçon e mais lucro sem puluir as água, os ar com agrotóchico e ansim non perjudicando saúde ném que tém planta, ném de quém comendo. Iéu achando bunita mesmo as palavra do sujéito, preguntô pra iéle cómo iéle sabendo todas iéstas cóisa se iéle ném morando na roça, enton rapaiz abriu sorison e contô que iéle é agronômico e o primo do tio do vizinho déle fói agricultór. Iéu falô ansim pra sujéito que iéstas cóisa tudo que iéle falando nóis tudo sabendo, cóisa que os bisavô insinaron, que tém que perzervar pra ter sempre e garantir futuro das ispécie e tudo funçonava deréito inté nos témpo passado. Água iéra limpa e cristalina e sirvia de remédio, mais véio génte do governo dizendo que íon ponhar água incanada com tratamento e non podendo mais usar água do poço. A energia que percizando vinha dos gerador, mais veio génte do governo dizendo que íon ponhar poste de luiz e non podendo usar ótra energia. Os moinho iéron tudo movido na roda de água, mais véio génte do govérno dizendo que agridia natureza e péxe se incomodava com baruio. As titica de galinha, as mérda dos pórco, tudo nóis tratava pra sirvir de adubo, mais véio génte do govérno dizendo que só podendo usar adubo de fábrica proquê tinha balanço químico. Nóis criava grilo, caracol e ótros bicho pra comér as praga que atacavon as roça, mais véio génte do govérno dizendo que grilo,caracol e ótros bicho transmite doença, do pula-pula, da lerdeza e ótras moléstia e tinha que matar praga no veneno comprado com nota fiscal. Enton hóje nóis pagando tudo, água, luiz, adubo, agrotóchico, tudo gerando os imposto pro govérno. Enton, iésta cóisa de desenvolvimento sustentável que inventaron é mésmo pra sustentar o bando de político que son praga no governo e non tém veneno que matando. Povo intéro batéu palma pra iéu, ficaron tudo de pé e começaron a gritar “Ato, ato, ato, Isidório no Sindicato!!!” Proquê será será que quando se fala as cóisa já penson que génte ta queréndo cargo? Desgracéra Mésmo!!!!

Publicado na edição 1249 – 18/02/2021

Compartilhe esta notícia: