Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Foto: Pixabay

O Dia Mundial do Diabetes foi lembrado em 14 de novembro. A data é oportuna para reforçar a conscientização sobre a importância dos cuidados para evitar a doença, principalmente em um ano onde os casos cresceram de forma preocupante. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), a estimativa é de que, ao redor do mundo, sejam 415 milhões de pessoas afetadas pela doença e, dentre eles, 16 milhões se encontram no Brasil. E as projeções não são otimistas, já que apontam para 643 milhões de adultos com diabetes em 2030 e 784 milhões em 2045. Ainda não se conhece a causa da doença, contudo, o envelhecimento populacional e a baixa prática de hábitos saudáveis são conhecidos como fatores de risco.

A médica endocrinologista da Clínica São Vicente, Leticia Marinho Del Corso, admite que o número de casos de diabetes mellitus tipo 2 (DM2) vem aumentando nas últimas décadas, principalmente em decorrência de um estilo de vida não saudável, com aumento do sedentarismo, piora dos hábitos alimentares, excesso de peso e obesidade. De acordo com ela, um estudo realizado no Brasil alguns anos atrás, constatou que 50% dos indivíduos identificados com diabetes não sabiam que tinham o diagnóstico da doença, portanto, a situação é bastante preocupante.

A médica endocrinologista Leticia Marinho Del Corso alerta sobre os perigos da diabetes. Foto: divulgação

“O DM é uma doença crônica, caracterizada pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue devido à ausência total ou parcial de insulina e/ou a incapacidade desse hormônio exercer suas funções. A insulina é um hormônio produzido no pâncreas, responsável por reduzir os níveis de açúcar no sangue. O diabetes não controlado está associado a múltiplas complicações, como o aumento do risco de infarto, AVC, retinopatia (e perda da visão), nefropatia (com necessidade de hemodiálise em casos mais avançados) e neuropatia periférica (com risco de lesões e amputação de membros), dentre outras condições que afetam a qualidade de vida das pessoas”, explicou a médica.

A endocrinologista sugere que a adoção de um estilo de vida saudável é fundamental para se evitar o DM e doenças relacionadas. Mudanças que consistem basicamente na adequação da alimentação, prática regular de atividades físicas, cessar o tabagismo, reduzir o consumo de bebidas alcóolicas e manter um peso adequado.

“A alimentação não deve ser baseada em dietas da moda. É necessário reduzir a ingestão calórica, o consumo de carnes gordas, embutidos e alimentos processados e aumentar o consumo de fibras, com o aumento de grãos integrais, leguminosas, hortaliças e frutas e limitar a ingestão de bebidas e comidas açucaradas. Reduzir o tempo de atividades sedentárias (tempo de tela), e aumentar a atividade física também é fundamental – tanto das atividades denominadas programadas (caminhada, corrida, natação, etc) como das não-programadas (subir escadas, não utilizar o carro para percorrer pequenas distâncias, etc).”, recomenda.

Serviço

Para agendar uma consulta com a endocrinologista Leticia Marinho Del Corso, entre em contato com a Clínica São Vicente pelos números whatsapp (41) 98780-1440 ou fone 3552-4000. A clínica está localizada na Rua São Vicente de Paulo, 250, Centro.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1287 – 11/11/2021

VEJA TAMBÉM