Edilson Bueno: Eu não vejo meus olhos

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Ao longo dos séculos Deus tem sido uma figura complexa e misteriosa na mente humana. Deus é mais do que um conceito transcendente, infelizmente quase nunca compreendido, e menos ainda experimentado.

Entender Deus é perda de tempo, porque Deus não é um conhecimento, mas sim uma percepção. Deus é uma experiência única entre você, o próximo e a natureza. Você mesmo tem que sentir-se em Deus, e não se sentir como um Deus, pois aí é o ego se manifestando.

Você deve ver-se em Deus, isto é, o espírito da essência divina realizado em você. Dogmas, misticismo, repetições, ajudam no início, mas depois podem dificultar a caminhada. Tudo é mente e a mente é infinita. Os ensinamentos espirituais antigos destacam que a essência de Deus desafia a compreensão. Assim, a busca racional para desvendar Deus é infrutífera.

Muito antes das religiões atuais serem inventadas, muitas culturas e sociedades antigas, tinham uma compreensão integrada de Deus e da natureza humana. O conceito de Deus frequentemente estava relacionado à ideia de uma força divina que reside tanto dentro quanto fora dos indivíduos. Em muitas culturas o divino não era visto como uma entidade externa mas sim como uma presença interna que permeia todas as coisas. Tentar encontrar Deus apenas nas escrituras será uma busca ilusória, pois estará sujeita as experiências de segunda mão, a interpretações alheias ou satisfazendo egos tentando subordiná-lo.

Deus é a vida imortal do universo. Vá diretamente a Ele, sem teorias, sem doutrinas, somente então todas as dúvidas e intermediários desaparecerão. Você pode ver seus próprios olhos? Deus é assim. Ele está tão em você quanto seus olhos. Ele é íntimo e pessoal, mesmo que você não possa vê-lo. Deus não é uma pessoa ou um ser. Deus não é uma coisa. Deus não é uma força, isto é o ego querendo algo. Deus não é um conceito. Deus é uma experiência. Este é um dos segredos espirituais mais profundos.

Edição n.º 1387

Compartilhar
PUBLICIDADE