Edilson Bueno: Reflexões infantis (nada absoluto)

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Quando eu era bem pequenininho, eu tinha um sonho muito estranho.

Era muito estranho, porque eram sonhos repetitivos.
Eram repetitivos, porque eram sonhos sem imaginação.

Eu sonhava com a ideia do “Nada Absoluto”.
Absolutamente nada havia nos meus sonhos infantis.

Não havia nada, porque somente no nada é que tudo se torna eternamente repetitivo.

A eternidade é repetitiva.

Nem gente, nem luz, nem espaço e nem o tempo havia nos meus sonhos de criança.

E eu pensava que todo mundo devia sentir o peso da ideia do “Nada Absoluto”, para poder valorizar as pequenas coisas desta vida.

Eu cresci, estudei, a vida, e aprendi que tudo nesta vida está dentro do Universo.

Estudei mais ainda, e constatei que na imensidão do Universo também não há gente, não há luz, não há nem o espaço, e que tudo é um imenso vazio, igualzinho aos meus sonhos infantis.

Estudei ainda mais, e descobri que tudo é um sonho, e que o sonho existe para criar a realidade.

A vida é a realidade materializada, e o que separa o sonho do devaneio, é realidade praticada, pois o resto é apenas loucura.

Mas sorria homem!
Você ainda está vivo, e que Neste Natal seus sonhos possam tornar se realidade, pois lembre se que há dentro de cada brasileiro, um Cristo verdadeiro repetindo: “Meu Deus! Meu Deus!” Enquanto eu viver, eu tenho esperança.

Edição n.º 1394

Compartilhar
PUBLICIDADE