Pesquisar
Close this search box.

Escritor araucariense tem história de amor cantada por Daniel em quadro do Fantástico

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Carlos Roberto de Oliveira, 56 anos, funcionário da Transresíduos, e a dona de casa Marileia da Silva de Oliveira, 50 anos, moradores do bairro Capela Velha, se conheceram em 1985, na cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina. A história de amor deles começou na primeira vez em que ele a viu. Ele conta que sempre observava Léia, enquanto ela ia comprar pão em um estabelecimento que ficava localizado em frente ao seu trabalho. Carlinho, que sempre teve uma vida sofrida, trabalhou desde os seis anos para cuidar de outros cinco irmãos mais novos, aos 13 já tinha emprego fixo no frigorífico da cidade. Depois que viu Léia, conhecida como a morena do Jóckei, pela primeira vez e se encantou, começou a ficar de olho no relógio para não perder a hora de vê-la passar. Ficava triste quando via as pegadas que deixava para trás, nos dias que ele não conseguia ver ela passando.

O casal conta que naquela época havia uma troca de olhares, mas nada além disso, nenhum dos dois teve coragem de conversar e se apresentar um ao outro, até que um dia o Vasco, time do coração de Carlos, foi para Rio do Sul jogar um amistoso. Para este evento, o frigorífico em que ele trabalhava ofereceu um churrasco para os jogadores do time, incluindo Roberto Dinamite, ídolo de Carlinhos.

Durante o churrasco, Carlinho estava todo feliz e animado com a vinda de seus ídolos de futebol e até se encorajou a cumprimentar Léia, os dois deram um beijinho no rosto de um lado, outro beijinho do outro e Léia acabou dando um “selinho” no canto da boca dele. Dali em diante, o namoro engatou.

Escritor araucariense tem história de amor cantada por Daniel em quadro do Fantástico
Carlinho e Léia durante a gravação do quadro do Fantástico.

Um contrato de amor

Jovens, apaixonados e já planejando o futuro juntos, os dois passaram por momentos difíceis. Pouco tempo depois do início do romance a família da Morena teria que se mudar para Rio do Oeste, à 19km dali, e o casal iria se separar, mas Léia decidiu que encontraria um emprego em Rio do Sul para que não precisasse ir embora. Então ela começou a trabalhar na casa de uma senhora e conseguia ficar na cidade de segunda à sexta.
Em meio a encontros escondidos na casa da patroa e muito romance, veio outro baque: seus pais teriam que ir embora para São Paulo. Mais uma vez o casal se viu em uma situação difícil e precisaram encontrar uma forma de resolver isso. Tentaram casar no civil, mas por serem menor de idade, isso não era permitido. O padre e o bispo da cidade não quiseram realizar a cerimônia pelo mesmo motivo. Os dois já estavam desiludidos, achando que Léia teria que ir embora, até que encontraram um casal de conhecidos que trouxe a solução para eles: um contrato de sociedade de fato em regime de concubinato, ainda não era um documento oficial de casamento, mas comprovaria a união entre eles. Isso fez com que o pai de Léia permitisse o relacionamento e deixasse a filha em Rio do Sul. O contrato foi assinado em 1987. Em 1989 o casal oficializou a união na igreja e hoje, estão casados há 36 anos.

O livro

A linda e única história de amor também motivou o Carlinho a escrever o livro “Pegadas do Amor”, em referência às pegadas que Léia deixava na areia quando passava em frente ao trabalho dele. No livro, lançado em outubro do ano passado, ele conta detalhes de sua infância, da sua história de amor e sobre sua família.

Inspirada pelo livro do pai, a filha do casal ficou sabendo de um quadro do Fantástico chamado “O Som da Minha Vida”, onde um artista escreve e produz uma música inspirada em histórias reais de espectadores. Pensando na linda história de amor vivida pelos pais, ela escreveu um e-mail para a produção da rede Globo, contando a trajetória do casal e indicando o artista preferido dos pais para cantar sobre o amor deles: o cantor Daniel. Não demorou muito para que a produção do programa entrasse em contato com ela para marcar as entrevistas e gravações. Uma equipe do Fantástico veio até Araucária, onde foi gravada a entrevista com a esposa e a filha de Carlos, já que a música seria uma surpresa para ele. As gravações aconteceram na Casa do Cavalo Baio e no apartamento da filha, tudo às escondidas do pai.

Carlinho também foi levado pela produção ao Rio de Janeiro, sob o pretexto de que gravaria uma reportagem sobre “Vascaínos de outros estados”, mal sabia ele a surpresa que teria durante a gravação do programa.

No último dia de gravação da entrevista, Carlinho foi convidado a assistir à passagem de som do cantor Daniel, que faria uma participação no programa. Durante o pequeno show, em determinado momento o cantor disse no palco que cantaria uma música inédita inspirada na história de Carlinho e Léia. “Foi uma surpresa tão linda e uma emoção tão grande que até hoje estamos anestesiados de tanta felicidade”, comentou Léia. Ela disse ainda que foi muito importante declarar o amor e o carinho e acabar despertando esses sentimentos em outras pessoas. “Meu marido teve uma história de superação e conseguiu transformar sofrimento em amor”, complementou.

Se você ficou curioso em conhecer a história completa do casal, adquira o livro “Pegadas do Amor”, que está disponível na versão física e também em e-book, no site Estante Virtual.

NINA SANTOS COM SUPERVISÃO DE MAURENN BERNARDO

Edição n. 1356