Estudantes avaliam prova do Enem e comentam expectativas para o 2º dia de provas

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Os cerca de 4 milhões de inscritos no Enem 2023 em todo o Brasil, sendo 166.514 candidatos no Paraná e 2.383 em Araucária, fizeram no domingo, 5 de novembro, o primeiro dia de provas. Os estudantes responderem 45 questões objetivas de Linguagens e Códigos, que abrange Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira, Artes e Educação Física e ainda 45 perguntas de Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia e Sociologia).

No primeiro dia eles também produziram uma redação dissertativa argumentativa sobre o tema: Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil. No próximo domingo (12), os participantes vão responder a 90 perguntas de matemática e ciências da natureza (química, física e biologia).

O Jornal O Popular conversou com estudantes araucariense que participaram do primeiro dia do exame. Eles avaliaram que a prova deste ano não estava tão difícil, porém as questões eram muito dissertativas exigindo muito tempo dos participantes e tornando a prova cansativa. Eles também falaram das expectativas para o segundo dia de provas.

A estudante Stella Tiemy Campos Kubo, 18 anos, fez o seu primeiro Enem, ela pretende cursar Pedagogia na UFPR. Para ela, a prova não estava difícil, porém se surpreendeu com questões de pura interpretação, com pouco tempo para que os participantes conseguissem ler tantos textos antes de emitir as respostas. Ainda assim, afirmou que mesmo não tendo se preparado, conseguiu responder tudo, o que a faz acreditar que todo mundo também conseguiu. “Quanto ao tema da redação, achei ótimo, porque tratou de uma realidade vivenciada por muitos estudantes que foram fazer a prova e que passam por isso em suas famílias. Todos os anos deveriam ter temas nesse estilo, não adianta abordar assuntos difíceis, pois a maioria que está lá, vem de escola pública, são pessoas de baixa renda, que não tiveram acesso ou não tiveram professores com tempo de argumentar sobre esses assuntos. Não fiquei surpresa, e se você está ciente da realidade e por dentro da atualidade, consegue fazer”, comentou.

Stella disse ainda que corrigiu o gabarito e das 45 questões, acertou 30, o que é considerado muito bom para um primeiro Enem. “Não consigo dizer quais são minhas expectativas para o segundo dia, pois não tenho uma noção básica de matemática, não se importaram em ensinar ao longo do ano. Estou estudando com ajuda da internet, mas ninguém aprende nada da noite pro dia. Tenho fé!”, declarou.

Gonçalo Pires do Prado Neto tem 23 anos e fez seu segundo Enem. O estudante está dentro do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e quer fazer um curso de Game Designer. Em 2019 ele foi aprovado em 1º lugar no curso de Jogos Digitais, na Universidade Positivo, mas não conseguiu bolsa integral, por isso não chegou a cursar.

Para ele, o nível das questões da prova estava muito alto, com perguntas muito extensas, já o tema da redação, foi tranquilo. “Sobre os temas abordados nas provas, não fiquei surpreso, de um modo geral estavam dentro do previsto. Acredito que tenha me saído bem neste primeiro dia de provas e há uma expectativa muito boa para a próxima etapa”, comentou.

Paulo Feles Padilha, 19 anos, também foi um estreante no Enem e seu projeto de futuro é cursar Psicologia. O estudante não achou que a prova estava tão difícil, mas assim como muitos candidatos, avaliou as questões como cansativas, as perguntas trouxeram muitos textos com respostas bem elaboradas, o segredo foi ter paciência e compreender os enunciados enormes. “A redação abordou um tema que nunca passou pela minha cabeça, porém está associado com a desigualdade das mulheres em relação a seus direitos, então consegui ter uma base e escrever a respeito”, avaliou.

De um modo geral, Paulo disse que se surpreendeu com os assuntos abordados nas questões, estudou muito sobre vários filósofos e sociólogos, e não foram mencionados. “Eu poderia ter feito melhor, não fui tão bem quanto esperava, já que domino mais a área de humanas. Para o segundo dia de provas, confesso que a ansiedade e o medo estão presentes em mim, pois sempre tive dificuldades com exatas, mas às vezes criamos expectativas enormes e dificuldades grandes, sendo que na realidade são questões não tão difíceis, precisamos apenas ter autocontrole e conhecimento”, afirmou.

Edição n.º 1388

Compartilhar
PUBLICIDADE