Estudantes do 1º ano do ensino médio do Colégio Estadual Julio Szymanski fizeram um protesto na manhã desta segunda-feira, 18 de abril, em frente à instituição, motivados pelo atual currículo do ensino médio, que tem parte das disciplinas ministrada por professores à distância, vinculados a uma instituição privada contratada pelo governo estadual. As disciplinas dos cursos Técnico em Administração e Técnico em Desenvolvimento de Sistemas são ministradas por professores da Unicesumar, instituição vencedora da licitação para prestar tal serviço. As aulas online fazem parte do método de ensino incorporado ao novo Ensino Médio do Paraná, que começou a vigorar este ano.
Carregando cartazes de protesto, os estudante pediam aulas presenciais, alegando que o sistema EAD, sem professor em sala de aula, prejudica a qualidade do ensino e deixa a desejar. “A pandemia já acalmou, tá todo mundo em sala de aula e a gente ainda está tendo aulas remotas, desse jeito não aprenderemos muita coisa”, reclamou uma estudante. “Não vamos parar até termos professor presencial. Queremos ser ouvidos”, comentou outro estudante
De acordo com informações da APP-Sindicato, a onda de indignação contra a terceirização dos cursos técnicos para a Unicesumar já mobiliza pelo menos 26 escolas no Paraná.
A reportagem do Jornal O Popular entrou em contato com a direção do Szymanski, que preferiu não se manifestar sobre o assunto. O Popular também entrará em contato com a Secretaria de Estado da Educação (SEED) para ouvir seu posicionamento a respeito e a matéria completa, com mais detalhes sobre o protesto, você poderá acompanhar na nossa edição impressa desta quinta-feira, 21 de abril.

Texto: Assessoria

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

Pablo Rosales é campeão brasileiro de jiu jitsu

O araucariense Pablo Rosales, 15 anos, aluno do colégio metropolitana, se consagrou campeão no Campeonato Brasileiro de Jiu Jitsu, organizado pela Confederação Brasileira (CBJJ). O

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp