Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Em sala de aula, os estudantes conversaram com especialistas, que ajudaram no desenvolvimento do projeto. Foto: divulgação

Provavelmente você nunca ouviu falar em “cruelty free”. E se ouviu, possivelmente não se interessou em buscar o significado do termo. Pois bem, “cruelty free” quer dizer “livre de crueldade”, um rótulo usado para produtos, principalmente da indústria cosmética, que não foram testados em animais. O assunto, que vem ganhando projeção, foi tema de um projeto super bacana desenvolvido por estudantes do 4º ano B do Colégio Marista Sagrado Coração de Jesus, o “Animal Friendly”. Eles assistiram ao curta-metragem estreado em abril deste ano, “Salve o Ralph”, que aborda a história de um coelho que “trabalha” como cobaia de uma empresa de cosméticos e ficaram empolgados em pesquisar mais sobre o assunto. A proposta do curta é retratar a crueldade dos testes em animais e pedir o fim dessa prática, por meio da sensibilização do público com o coelho protagonista.

“As crianças viram o vídeo, ficaram sensibilizadas e iniciaram pesquisa, onde descobriram que o Brasil não tem uma lei federal que proíba a realização de testes em animais na indústria cosmética e que a solicitação de fabricação e distribuição ao mercado de produtos cosméticos é regulamentada apenas pela Anvisa. Após as descobertas, elaboraram um projeto cuja ideia é mostrar à população como identificar produtos cosméticos não testados em animais, como encontrar os selos nas embalagens e também incentivar as pessoas a comprarem produtos veganos ou não testados em cobaias”, explicou a professora Jéssica Fernandes D’Anhaia.

Segundo ela, o trabalho dos estudantes é parte integrante do PIS – Projeto de Intervenção Social, desenvolvido todos os s nos colégios da rede Marista. “Na realidade o projeto nasceu em uma conversa em sala de aula, dentro da temática de 2020, sobre animais. As crianças propuseram uma abordagem sobre a questão da empatia pelos bichinhos e um dos colegas sugeriu que assistíssemos ao vídeo Salve o Ralph. Partindo das curiosidades acerca do tema, iniciamos investigações sobre a testagem de produtos cosméticos em animais. As crianças pesquisaram na legislação estadual e federal, elaboraram análises, conversaram com especialistas, sendo um veterinário e uma responsável pelo laboratório de uma empresa de cosméticos”, relatou.

Selos que ajudam o consumidor a identificar quando o produto não é testado em animais. Foto: divulgação

A professora contou ainda que após muita pesquisa, o grupo iniciou a ação de conscientização das famílias e das crianças do colégio. Na mostra cultural, apresentaram às suas famílias o projeto de pesquisa e explicaram sobre os selos de identificação dos produtos não testados. Durante a acolhida da Pastoral, foi a vez dos colegas das outras turmas do ensino fundamental 1 conhecerem o projeto e também aprenderem porquê e como comprar produtos não testados em cobaias. O próximo passo dos estudantes é conscientizar toda a população.

Causa nobre

O estudante Felipe de Lara Santiago disse que está aprendendo muito com o projeto “Animal Friendly”. “Estamos trabalhando nisso desde março e o que nos inspirou foi o vídeo do coelho Ralph. Está sendo muito legal porque estamos contribuindo com a sociedade, para protestar por uma causa nobre”, afirmou.

Ana Luiza Gomes Grigolo também está empolgada com o projeto. “É maravilhoso pesquisar e aprender coisas novas”, comemorou. Da mesma forma o estudante Thiago de Oliveira Moreira disse que a ideia é mostrar para a população como identificar os produtos não testados em animais e incentivar as pessoas a comprarem os produtos veganos ou não testados em animais. “Nosso projeto tem esse objetivo e esperamos que as pessoas se conscientizem sobre isso”.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1286 – 04/11/2021

VEJA TAMBÉM