Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Com a gestão do Departamento Penitenciário, a carceragem de Araucária passará por inúmeras mudanças. Foto: Marco Charneski

Desde o dia 8 de junho, a carceragem da Delegacia de Polícia de Araucária, até então administrada pela Polícia Civil, está sob gestão do Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen). Ainda em processo de transição, a carceragem já vem sendo alvo de reclamações por parte dos familiares de presos. Segundo eles, desde que a mudança ocorreu, há uma grande dificuldade em se obter informações a respeito dos presos. Além das visitas suspensas por conta da pandemia, da suspensão da entrega das sacolas com alimentos e produtos de higiene e limpeza, o telefone da DP não está funcionando. Dessa forma, para obter qualquer tipo de notícia sobre os detentos, as famílias precisam ir pessoalmente à sede da delegacia, o que muitas vezes, acaba em constrangimento.

“Tenho um parente preso lá, até então sempre recebia notícias dele, mas agora nem sei se ainda está vivo, porque quando vou pessoalmente na delegacia, eles me atendem por cima do muro, tratam a gente com grosseria e saímos de lá da mesma forma que chegamos, sem saber de nada. Esses dias fui lá perguntar sobre as sacolas, porque até então as famílias não sabiam das mudanças, e eles me trataram muito mal, mandaram eu retornar mais tarde. Voltei depois, e o tratamento foi o mesmo”, reclamou o familiar, que preferiu se manter no anonimato. Ele disse entender que o preso precisa pagar pelo crime que cometeu, mas jamais poderá ser tratado como um animal. “Apesar de ser um detento, ele não é um bicho, é um ser humano, porque nem os bichos devem ser maltratados. Ele tem família, não é largado na vida”, criticou.

Outro familiar, que também não quis se identificar, reclamou que o atendimento tinha que ser mais humanizado, com mais respeito aos familiares. “Se fosse um parente deles, com certeza não gostariam que fosse tratado assim. O preso já está ali fechado, pagando, e a família sofre com isso; O mínimo que pedimos é que nos forneçam notícias”, falou.
Segundo informações apuradas pela nossa reportagem, atualmente a carceragem da Delegacia de Araucária abriga 55 presos. As visitas estão suspensas e a última “sacola” foi entregue no dia 22 de junho, a próxima entrega, que estava marcada para o dia 20 deste mês, já foi suspensa.

Novas regras

Sobre as reclamações dos familiares dos presos, o Depen informou que a transferência da gestão da Cadeia Pública de Araucária para o Departamento foi autorizada pelo decreto n° 6081/2020. Após os trâmites necessários, o Depen disse que passou a atuar de forma plena na carceragem, em junho deste ano. Portanto, neste momento, o local passa por uma readequação para que atenda o padrão mínimo adotado no sistema prisional paranaense.

O Depen explicou ainda que dentro dessa readequação, foram realizadas a limpeza e desinfecção no local, incluindo a retirada de veículos apreendidos que estavam no pátio da carceragem. Ainda, houve a manutenção da rede elétrica e hidráulica, com a retirada de toda a fiação exposta nas celas e corredores.

Ainda de acordo com o Depen, também foram distribuídos aos detentos uniformes, colchões e cobertores novos, assim como kits de higiene com creme dental, sabonete, aparelho de barbear, escova de dente, papel higiênico e toalha de banho.

Em andamento está a criação de espaços para visitas virtuais, parlatário e canteiros de trabalho, além da pintura do local e melhorias no saneamento básico. Na área da segurança estão sendo feitos reforços estruturais e a separação de presos por perfil. Nos próximos dias, uma portaria interna deverá ser publicada, com as novas normativas, que irão organizar as visitas virtuais e a entrega de sacolas, que neste momento ocorre apenas pelos Correios, via Sedex.

Publicado na edição 1270 – 15/07/2021

VEJA TAMBÉM