Araucária PR, , 12°C

Grana da reforma da Câmara será utilizada na construção de Cmeis

Reunião que sacramentou a devolução dos recursos aconteceu no salão nobre da Prefeitura de Araucária
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Reunião que sacramentou a devolução dos recursos aconteceu no salão nobre da Prefeitura de Araucária
Reunião que sacramentou a devolução dos recursos aconteceu no salão nobre da Prefeitura de Araucária

Uma reunião realizada na última quinta-feira, 30 de junho, no salão nobre da Prefeitura acabou resultando num excelente acordo para as crianças que aguardam uma vaga nos centros municipais de educação infantil da cidade.

Provocada pelo promotor de justiça David Kerber de Aguiar, o encontro reuniu os vereadores da cidade e o prefeito Olizandro José Ferreira (PMDB), além de alguns secretários municipais e técnicos da Prefeitura. O tema do encontro foi o déficit de vagas nos Cmeis da cidade, que hoje estaria na casa das 1.500 vagas.

Durante a reunião, enquanto o Município tentava justificar a razão de não conseguir resolver o problema e o Ministério Público cobrava a solução da situação, que já se arrasta há anos, os vereadores – acreditem vocês ou não – decidiram abrir mão de um recurso da ordem de R$ 3,6 mi­lhões que está depositado numa conta da Câmara, desde que o dinheiro seja integralmente utilizado na construção de novos centros de educação infantil. E, como se não bastasse, os edis ain­da disseram que conseguiriam devolver imediatamente outros R$ 1,4 milhão do orçamento da Casa para também ser destinado à edificação de Cmeis. Não, não é uma piada de mau gosto. Eles realmente se comprometeram a fazer isso.

Os R$ 3,6 milhões que estão depositados numa conta da Câmara foram economizados em 2014, ainda quando o presidente da Casa era o vereador Pedrinho Nogueira (PTN). O dinheiro seria destinado para construção de um novo bloco e também para a reforma do prédio atual do Poder Legislativo.

Diante da iniciativa dos vereadores, Olizandro não pensou duas vezes e se comprometeu a utilizar toda essa grana na cons­trução de quatro novos Cmeis. Mais do que depressa, o promotor de justiça fez constar todos os termos em ata, que foi devidamente assinada por todos os presentes.

Com a situação política resolvida, a questão pendente agora é burocrática. Nos próximos dias, o presidente da Câmara, Wilson Roberto David Mota (PSD), outro entusiasta da devolução para cons­trução dos Cmeis, deve convocar sessões extraordinárias para promover a devolução do dinheiro à Prefeitura, bem como para apro­var a adequação orçamentária para que os recursos sejam destinados à edificação dos prédios. Paralelamente a isso, as secreta­rias de Educação e Obras já estariam trabalhando na elaboração das licitações e projetos de engenharia necessários para que a contratação da empreiteira que executará o serviço possa ser feita.

Pedrinho Nogueira se diz satisfeito com destinação dos recursos

Pedrinho Nogueira com o prefeito e o promotor. Recursos que estavam  no Fundo foram economizados quando ele era o presidente da Câmara
Pedrinho Nogueira com o prefeito e o promotor. Recursos que estavam
no Fundo foram economizados quando ele era o presidente da Câmara

Inicialmente contrário à que a Câmara devolvesse à Prefeitura os recursos economizados enquanto foi presidente do Poder Legislativo, o vereador Pedrinho Nogueira (PTN) afirmou ter ficado feliz com a garantia de que o dinheiro do Fundo para a reforma do prédio do Poder Legislativo vá para a construção de novos Cmeis. “Sempre fui contra simplesmente devolver esse dinheiro ao Município sem que houvesse um compromisso de que ele seria aplicado em algo que a população fosse realmente beneficiada”, comentou.

Ainda conforme ele, o dinheiro guardado neste Fundo só foi economizado graças a uma série de medidas tomadas enquanto foi presidente para reduzir os custos. “Não foi fácil economizar esse dinheiro. Compramos muitas brigas para que isso fosse possível, acabamos com vários vícios que existiam na Câmara. Por isso sempre sonhei ver esse dinheiro transformado não obra de reforma da Casa. No entanto, como bem foi discutido no dia da reunião com o prefeito, os outros vereadores e o promotor, a questão da falta de creches é mais urgente. E, com a garantia de que esse dinheiro será utilizado na construção de Cmeis, fico muito satisfeito”, finalizou.

Texto: Waldiclei Barboza / Fotos: Divulgação