Jesus e a sua proposta de reino

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Jesus foi um homem absolutamente livre. Ele não estava apegado a nenhuma tradição, a nenhuma ideologia, a nenhum partido político e nem a uma religião. Ele pregava a boa nova do Reino de Deus, livremente, com o único objetivo de instaurar no mundo a dignidade a todos os seres humanos. Foi ao encontro dos sofredores, dos doentes, dos excluídos da sociedade, dos pecadores e a todos, levava uma mensagem de fé e de esperança. Suas palavras, seus gestos e suas ações eram profundamente amorosas, carregadas de muita ternura e misericórdia. Com certeza, ninguém amou tanto quanto ele, a ponto de dar sua vida na cruz para nos salvar.

Jesus pregava uma conversão que vinha de dentro para fora. A mudança é sempre interior, e, se reflete no comportamento do dia a dia. Criticou duramente os fariseus que se preocupavam com o externo, com as aparências, mas, como ele mesmo afirma, estavam podres por dentro. Eram dominados pela falsidade, pois diziam uma coisa, mas, viviam de modo bem diferente daquilo que pregavam. Jesus os chama de hipócritas. Eram incoerentes, falsos, vivam somente de aparências. As palavras de Jesus, a respeito de suas atitudes, foram realmente muito duras. A sua coragem em falar a verdade impressionava, pois, no fundo, seu coração era livre e aquilo que pregava, ele testemunhava no seu jeito de ser e de viver. Em Jesus, sim, havia uma coerência muito grande, entre o que falava e aquilo que vivia.

Movidos pelo espírito de Jesus, semeador da boa nova do Reino, somos desafiados a vivermos a nossa vida com coerência. O grande mal da nossa sociedade, como nos tempos de Jesus, é viver de aparências. Ali mora a falsidade, o fingimento, aparentar uma coisa, mas no fundo, viver de modo bem diferente. O testemunho significa exatamente o contrário: anunciar e viver em primeira pessoa a boa nova do reino. Seguindo o exemplo de Jesus, passar pela vida com a intenção interior que se manifesta no comportamento exterior, ou seja, de ajudar, de ser bom, de fazer o bem, de ser solidário, de ser empático e misericordioso e cheio de ternura. Jesus passou pela vida fazendo o bem, semeando a paz, a concórdia, a justiça, o perdão, com o único objetivo de tornar o mundo mais humano e mais irmão.

Somos chamados a sermos construtores do Reino de Deus, a semearmos os valores do Reino. Oxalá a nossa vida realmente valha a pena, porque colocada a serviço de um mundo melhor. O seguimento a Jesus é exigente, e pede de nós uma resposta corajosa, de amor aos irmãos. Um amor que brota de dentro, e, que tem como único objetivo, servir de modo gratuito, desinteressado e pleno. Como ele mesmo disse: ‘que a mão esquerda não saiba o que a direita fez’. Fazer o bem sem interesse e nem vantagens pessoais. Realmente, não é fácil, mas é isso que nos realiza e dignifica como seres humanos, construtores do Reino.

Não importa o tempo de vida que Deus nos reserva, mas, o que importa, é vive-la com intensidade. E ser intenso significa amar, sem medidas, sem reservas, estando sempre pronto e disponível a ajudar a quem precisa de um conforto, de uma palavra amiga, de um encorajamento ou, de um auxílio material. Fazer o bem nos dignifica e nos aproxima do rosto amoroso e misericordioso de Deus, manifesto plenamente no seu Filho Jesus. Que no final da nossa vida, a única bagagem que nos acompanhará para a eternidade, sejam as marcas de amor que sobre a terra tenhamos semeado. E isso ficará como um legado para sempre naqueles que nos foram confiados, passando de geração em geração.

Publicado na edição 1276 – 26/08/2021

Jesus e a sua proposta de reino
Jesus e a sua proposta de reino 1