Compartilhe esta notícia

 

Laudo da Prefeitura mostra que Matergi não foi responsável por alagamento em casa na rua Londrina - notícias da Geral  - O Popular do Paraná
Problemas na tubulação de um loteamento nas proximidades impediu que a água escoasse de maneira adequada

Um vídeo postado por uma moradora da rua Londrina, no bairro Costeira, no último final de semana acabou chamando a atenção de muita gente em Araucária. Nele, a proprietária mostra sua casa sendo alagada pelas águas do temporal que despencou sobre a cidade no sábado, 11 de fevereiro, e diz que a situação teria sido agravada por uma obra que está sendo executada num terreno que faz divisa com o seu.

A obra em questão pertence à Matergi Materiais de Construção e ainda está em sua fase inicial e, segundo um laudo emitido esta semana pela Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP), não teve relação com o alagamento da casa na rua Londrina.

Conforme o documento, contribuiu para o alagamento, além o volume da chuva, muito acima do que estava previsto para o mês, problemas na drenagem de um loteamento que fica próximo à região. “Ficou patente que a drenagem no loteamento Jardim Dona Rosa se encontra prejudicada, com vícios operacionais (falta de manutenção comprovada no entupimento de bocas de lobo) e de projeto e/ou execução (valas abertas que se interligam à tubulação enterrada”, consta em determinado trecho do laudo emitido pela Prefeitura e assinado por um engenheiro civil e um arquiteto.

Colaboração

Apesar de não ter responsabilidade no alagamento da casa na rua Londrinha, os proprietários da Matergi procuraram a família e se dispuseram a colaborar na reforma do imóvel. “Eles conversaram com a gente e vão nos ajudar”, explicou  Ekctor Tiago Pedroso, morador do imóvel.

Um dos sócios da Matergi, Rafael Gipiela, comentou que um dos valores da empresa é sempre estar em harmonia com a comunidade onde está instalada. “A obra que estamos executando ali está com todas as licenças e alvarás em dia, pois sempre trabalhamos de maneira correta. Não tivemos responsabilidade no que aconteceu com aquela família, mas nem por isso poderíamos ficar parados diante do sofrimento deles. Por isso mesmo, ao longo desta semana os procuramos e nos colocamos à disposição para, dentro de nossas possibilidades, ajudar na reforma do imóvel”, explicou.

Compartilhe esta notícia