Pesquisar
Close this search box.

Leite especial fornecido pela rede pública está em falta

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A falta de um leite em pó especial no CEMO – Centro de Especialidades Médicas de Araucária prejudica crianças que dependem dele para uma alimentação adequada. O produto tem um custo alto e deveria ser fornecido pela rede pública. O garotinho Anthony Lucas, de 9 meses, que sofre de uma doença pulmonar grave, é uma das crianças que sofrem com este problema.  O pai relata que todo mês pegava o leite Nestogeno 2 na rede pública, porém desde outubro do ano passado isso não vem acontecendo.

“A explicação que nos deram foi que a Prefeitura não renovou o contrato com a empresa que fazia o fornecimento. É complicado porque não tenho condições de comprar e meu filho necessita desse leite. De nada adianta nossa cidade estar linda se a saúde deixa a desejar, com falta de atendimento médico, fornecimento de medicamentos e outros suplementos”, desabafou o pai.

A reportagem do Jornal O Popular entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde para saber o motivo da falta do leite e a resposta foi a seguinte: “O leite Nestogeno 2 está em falta, pois a empresa fornecedora não está entregando. A Secretaria Municipal de Saúde já notificou a empresa e está aguardando um posicionamento para saber quando o leite será entregue. É importante destacar que outros municípios da região metropolitana estão passando por este mesmo problema com o fornecedor”.

Relembre o caso  

Anthony nasceu de 29 semanas e tem broncodisplasia pulmonar (BDP), uma doença pulmonar grave, caracterizada por alterações na função respiratória de recém-nascidos decorrentes da prematuridade.

Por essa condição, ele ficou mais de 3 meses internado na UTI do Hospital Municipal de Araucária. O bebê já teve alta, mas segue fazendo vários tratamentos.