Os comércios estão começando a vislumbrar uma melhora no movimento e a expectativa é sair do vermelho com as vendas de Natal. Foto: Marco Charneski

O mundo inteiro foi pego de surpresa pela pandemia do coronavírus. A crise avançou rapidamente e afetou a vida de todos, principalmente dos comerciantes e empresários. Inúmeras empresas tiveram que suspender suas atividades ou, até mesmo, alterar seu funcionamento para atender às determinações das autoridades sanitárias, o que acarretou prejuízos financeiros irreparáveis em alguns setores.

Para o presidente da Associação Comercial de Araucária (ACIAA), Juscelino Katuragi, a pandemia afetou principalmente os setores de eventos, vestuários, calçados e outros que não se enquadravam como essenciais nos decretos lançados pelos governos. “No setor gastronômico, apesar de todas as limitações dos decretos, os comerciantes tiveram mais facilidade para se reinventar, criar novas alternativas e conseguiram passar pela crise. Nas indústrias, o recurso da informática e a possibilidade de home office, também acabou ajudando muito. Mas os setores que dependiam exclusivamente da movimentação de pessoas, como o de eventos, por exemplo, foram muito prejudicados”, avaliou Katuragi.

Segundo ele, o ano de 2020 só não foi pior para algumas empresas em função das inúmeras linhas de crédito que foram lançadas pelos governos, nas diferentes esferas. “Em Araucária, as linhas de crédito ofertadas em 2019 foram beneficiadas pelo aporte financeiro solicitado pela ACIAA, aprovado e publicado em diário oficial. O problema é que agora, em 2021, quando finalmente chegou o momento de o comércio se reerguer, veio a conta desses empréstimos e refinanciamentos. Com isso, alguns comércios, já em crise financeira, acabaram ficando ainda mais endividados. Felizmente existe a expectativa de um decreto federal, que irá permitir o pagamento em até 15 anos, das dívidas das micro e pequenas empresas com a União, inclusive de microempreendedores individuais. E isso pode dar um alento aos comerciantes e empresários”, disse o presidente da ACIAA.

Katuragi lembra ainda que Araucária acabou sendo privilegiada na pandemia, com decretos mais brandos do que aqueles adotados em outras cidades, os quais foram muito mais rigorosos. “Isso também ajudou os comerciantes a sobreviverem nesse período”, frisou.

Campanha de Natal é esperança de aquecimento nas vendas

O Natal é sempre uma expectativa de reaquecimento do comércio, e este ano, a ACIAA lançou uma campanha própria “Raspou, Achou, Ganhou!”, regulamentada pela Secap, com sorteio de prêmios instantâneos no comércio local, vales compras, moto e bikes. “Acima de R$ 50,00 em compras nas lojas credenciadas os clientes ganharão um cupom do tipo raspadinha e concorrerão a vales-compras, nas lojas participantes. O cupom poderá ser preenchido e depositado em uma urna. Assim, o consumidor também concorrerá, no sorteio final, a uma motocicleta 0km e bikes”, explica Katuragi.

De acordo com ele, a associação acredita em uma grande adesão e incentivo por parte do comércio local, visto que quanto maior o engajamento, maiores serão os benefícios para todos. “A ACIAA também está sempre buscando alternativas para que o comércio local cresça e se fortaleça, através de treinamentos, cursos e outras ações, mas para que estas sejam de fato efetivadas e tragam resultados positivos, a participação dos comércios é essencial”, pontuou.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1270 – 23/09/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe