Mães de crianças com deficiência abrem empresas e aumentam renda familiar

Claudirene abriu uma empresa de bolos em Araucária e hoje consegue pagar o tratamento do filho. Foto: divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Mães de crianças com deficiência abrem empresas e aumentam renda familiar
Claudirene abriu uma empresa de bolos em Araucária e hoje consegue pagar o tratamento do filho. Foto: divulgação

Através do Programa Empreenda, realizado pela organização social ASID Brasil em parceria com a Risotolândia, mais de 40 mulheres passaram por capacitações gratuitas de empreendedorismo com foco em gastronomia. Claudirene França, mãe de uma criança autista, foi uma delas, abriu uma empresa de bolos em Araucária e hoje consegue pagar o tratamento do filho, de 11 anos. Sem poder trabalhar fora por ter que cuidar do filho em casa e acompanhá-lo nas consultas médicas, Claudirene via o marido se desdobrar para pagar as contas e sofria por não conseguir pagar um tratamento alternativo para Emanoel.

Até que em 2020 a então dona de casa, teve a oportunidade de participar do Programa Empreenda, iniciativa social e gratuita que empodera pessoas com deficiência e suas famílias, incentivando a autonomia e promovendo o desenvolvimento por meio do empreendedorismo gastronômico. “Nunca pensei em empreender, agarrei essa chance e consegui me aperfeiçoar”, relembra Claudirene. Ela costumava fazer alguns bolos para vender e a partir das capacitações, viu que essa poderia ser uma possibilidade de negócio para desenvolver sem sair de casa. Este foi o nascimento da empresa “O Mundo Doce da Clau” (@omundodocedaclau), que vende doces e bolos artesanais, além de outros quitutes. “Graças ao Programa Empreenda e ao trabalho que eu desenvolvo, hoje posso pagar para o meu filho o tratamento que ele precisa e vejo como isso mudou a nossa vida. Agora ele é um menino mais tranquilo, vai para a escola, tem interesse em estudar e até me ajuda na organização da cozinha. Inclusive, gosta de fazer propaganda dos meus bolos”, conta.

Atualmente Claudirene tem uma receita bruta de R$ 1 mil a R$ 1.300 por semana. “Vendo muito bem e, com isso, consegui colocar as contas em dia e a gente até se mudou para um lugar melhor, mais perto do centro da cidade. Em breve vou conseguir abrir uma loja”, disse a empreendedora.

O programa

Realizado desde 2019 pela organização social ASID Brasil, em parceria com a empresa Risotolândia, o Programa Empreenda já beneficiou mais de 40 mães de crianças com deficiência na região de Araucária. Somente na edição 2021, por meio de capacitações no formato online, 12 mulheres criaram o próprio negócio ou aperfeiçoaram projetos que já estavam em andamento. Além de conhecimento técnico em vendas, gestão, marketing, boas práticas em gastronomia e outros temas, as mulheres contempladas pelo programa ganharam autoconfiança e passaram a acreditar nos seus sonhos.

“A ideia do Programa Empreenda está muito alinhada com a missão, a visão e o formato do Grupo Risotolândia porque ensina efetivamente. É consonante com a perspectiva da organização sobre responsabilidade social, que é a educação e o desenvolvimento humano. Tanto é que inúmeros dos nossos funcionários estão no primeiro emprego”, afirma a gerente de RH do Grupo Risotolândia, Kamille Dantas.

Texto: Maurenn Bernardo com Assessoria

Publicado na edição 1284 – 21/10/2021