Moradora do Costeira colhe batatas-doces gigantes que viraram sensações na comunidade

Moradora do Costeira colhe batatas-doces gigantes que viraram sensações na comunidade
Foto: Divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

O que era para ser uma colheita comum no fundo do quintal, acabou se tornando algo extraordinário para a moradora do bairro Costeira, Dinacir de Fátima Silveira do Amaral. Ela levou um baita susto ao colher duas batatas-doces gigantes, uma pesando 8.605 kg, e a outra alcançando a marca de 7.714 kg. E deu trabalho pra colher as batatas!

Para fazermos um comparativo simples, uma batata-doce geralmente pesa entre 100 e 300 gramas, dependendo do tamanho e da variedade. Algumas batatas-doces podem pesar mais de um quilo, enquanto outras podem ser menores do que um punho fechado. O peso médio de uma batata-doce é de cerca de 150 a 200 gramas. É por isso que as batatas gigantes colhidas pela Dinacir viraram sensações na comunidade e todo mundo está querendo ver para crer.

Imagem de destaque - Moradora do Costeira colhe batatas-doces gigantes que viraram sensação na comunidade
A moradora ainda não sabe o que vai fazer com as batatas gigantes

O que chama ainda mais atenção nesse caso, além do tamanho das gigantes, é o fato de a moradora não ter feito o plantio e desconhecer como as ramas brotaram ali no seu quintal. “A gente jogou um monte de entulho no quintal, porque estamos construindo, e pode ser que em algum momento também tenhamos jogado cascas e pedaços de batatas ali, as quais acabaram brotando. As ramas nasceram sozinhas e produziram muitas batatas, e talvez tenham mais algumas enormes como essas que colhemos”, contou a moradora.

Dinacir disse que ainda não cortou as gigantes para que as pessoas que ainda não viram, possam conferi-las de perto. “Por enquanto, vamos deixar elas inteiras mesmo, para que as pessoas possam ver, mas também distribuímos uma parte das menores com os vizinhos. Logo vamos fazer mais uma colheita e esperamos que venham mais batatas enormes por aqui”, brinca a moradora.

Edição n.º 1420