Pesquisar
Close this search box.

Moradora se revolta após ter sido atacada por cão que vive no terminal da Vila Angélica

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Não é comum os cães que circulam pelos terminais de Araucária atacarem usuários do transporte coletivo, porém na última sexta-feira (05/05) um destes animais, que frequentemente é visto no terminal da Vila Angélica e imediações, acabou mordendo uma mulher. Devido ao ferimento, ela precisou buscar atendimento na UPA.

Indignada com o ataque do cão, Angela Maria de Souza, que possui um comércio próximo ao terminal, registrou um boletim de ocorrência e também solicitou providências da Prefeitura, para que o animal seja retirado do local. “Eles precisam recolher esse cão, ele ataca todo mundo. Quero deixar bem claro que esse animal não vive somente no terminal, ele circula pelas ruas próximas e foi em uma delas que fui atacada. Todo mundo trata este animal, mas como não existe um dono, acho que deveriam recolhê-lo e colocá-lo para doação, assim como todos os demais animais que vivem nos terminais”, sugere Angela.

A mulher comenta ainda que se o cão tivesse mordido uma criança ou um idoso, a situação seria muito pior. “Concordo que existam lei de proteção aos animais, mas desde que eles não promovam riscos à sociedade, principalmente às pessoas que transitam pelos terminais e vias de acesso. É preciso tomar uma providência para evitar que novos casos venham a ocorrer”, disse a mulher.

Moradora se revolta após ter sido atacada por cão que vive no terminal da Vila Angélica
Moradora se revolta após ter sido atacada por cão que vive no terminal da Vila Angélica 1

Não dê comida!

Segundo a Superintendência do Transporte Coletivo de Araucária, existe uma rotatividade muito grande de cachorros e para evitar o aumento da população canina nos terminais, colaboradores e usuários do transporte coletivo são orientados a não dar água e nem comida para eles dentro desses espaços. “Importante esclarecer que fora dos terminais as pessoas estão liberadas para cuidar desses cães. Essa é uma orientação repassada por veterinários da Secretaria do Meio Ambiente que nós seguimos, para evitar que novos animais sejam atraídos”, declarou o superintendente Wilmer Jacó da Silva.

Ele diz ainda que todos os cães que vivem nos terminais estão aptos para adoção, caso alguém tenha interesse, e que essa atitude pode ajudar a reduzir a população canina nesses locais. “Também sabemos que muitas vezes os passageiros correm dentro dos terminais para pegar o ônibus e dessa forma o cachorro acaba avançando sobre ela. Ainda assim, casos de mordeduras não são comuns. Sempre que ocorre algum problema nesse sentido, de cães avançarem em usuários ou de animais com algum problema de saúde, nós acionamos o Meio Ambiente”, completou Wilmer.

Foto: Marco Charneski.

Edição n. 1362