Pesquisar
Close this search box.

Moradores do Santa Cruz pedem melhorias na comunidade

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

uas em péssimas condições, lixo, mato e esgoto vazando são alguns dos problemas apontados pelos moradores do Jardim Santa Cruz, no bairro Capela Velha. Eles afirmam que por estarem em uma área irregular, acabam ficando esquecidos. “A Prefeitura sempre diz que existe uma ordem judicial de despejo deste lugar e que tem feito tentativas de acordo judicial. Então a gente fica totalmente sem saber onde reclamar e dessa forma a situação da comunidade só piora. Quando chove muito as ruas ficam alagadas e depois intransitáveis e pra piorar, o esgoto transborda. Os moradores tem enfrentado sérios problemas. A Sanepar só passa por aqui pra entregar a conta de água e como não temos cavalete, não somos ouvidos”, lamentou uma moradora.

Para os moradores, a própria Prefeitura deveria entrar em contato com a Sanepar e cobrar da companhia uma solução para os esgotos espalhados pelas ruas. “A situação é mais crítica no final da rua Pinheiro e no final da rua Aldo Gabriel Dietrich, na comunidade 21 de Outubro, que aliás, já é regularizada. Sempre que chove o esgoto vaza e invade as quadras do bairro, que por sinal também estão cheias de lixo e mato. A continuação da rua Aldo Gabriel Dietrich, que é onde eu moro, também tem esses esgotos da Sanepar. E ainda tem os buracos gigantes, que nós não estamos mais conseguindo nem passar com o carro”, reclama outra moradora.

Sobre a situação da comunidade, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente explicou que a coleta de resíduos está ocorrendo normalmente, na limpeza dos contentores na região e que a roçada na praça da rua Por do Sol está dentro do cronograma. A secretaria solicitou a contribuição dos moradores em não jogar resíduos em via pública e nos rios.

Referente às ruas intransitáveis, a Secretaria de Obras informou que só localizou dois pedidos de manutenção na drenagem pluvial e ambos foram atendidos.

Já a Sanepar informou que o problema naquela região é que, quando chove, há extravasamento de esgoto. A empresa disse que a população tem usado a rede de forma irregular, fazendo a ligação de água da chuva dos imóveis na rede coletora de esgoto, o que não é permitido.

A Sanepar adiantou ainda que irá planejar um serviço de Vistoria Técnica Operacional (VTO) a ser implantado naquela região para que as ligações de esgoto dos imóveis sejam vistoriadas e, quando for detectada irregularidade, o proprietário/morador seja notificado a fazer a regularização.