Notas políticas: Goura vem a Araucária defender pré-candidatura a prefeito de Fábio Alceu

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

O deputado estadual Goura Nataraj (PDT) esteve em Araucária na noite da última segunda-feira, 25 de setembro, para um encontro com pedetistas locais. A reunião foi realizada na sede da AECIAR e contou com a presença também de outras figuras conhecidas do bioma político araucariense.

Além de debater o cenário político estadual e local, o bate-papo serviu para que Goura reafirmasse que o ex-vereador Fábio Alceu é o nome do PDT para disputar as eleições majoritárias de 2024 em Araucária.

Obviamente, como a legislação eleitoral não autoriza que interessados em disputar pleitos vindouros se identifiquem como candidatos, o nome de Fábio Alceu é apresentado sempre como pré-candidato. Pelo menos até que o pleito se inicie para valer.

Em conversa com esta Coluna, Goura afirmou que dentre os projetos municipais que o PDT quer patrocinar em 2024 a candidatura de Fábio em Araucária é tida como prioritária. “Acreditamos que o Fábio Alceu é um bom nome para uma cidade muito importante para o Estado como é Araucária”, analisou.

Ainda durante o encontro desta última segunda-feira, filiados ao PDT que almejam uma candidatura a vereador também puderam se apresentar.

Notas políticas: Goura vem a Araucária defender pré-candidatura a prefeito de Fábio Alceu

É golpe?

Ainda sobre as eleições do ano que vem, o negócio anda quente dentro das fileiras do PT. Duas figuras antigas da legenda andam bravas uma com a outra, com acusações diversas e dentre elas, vejam só, está até a de tentativa de golpe.

Rivadal e Marcondes

A treta do momento dentro do PT envolve Rivadal Padilha e Osvaldo Marcondes. Esta Coluna – aliás – ao longo de 25 anos de circulação já registrou alguns desentendimentos políticos dessa dupla de petistas lendários.

Dilma e Temer

A novidade do momento é que – de certa forma – Osvaldo agora acusa Rivadal de armar para tentar lhe aplicar um golpe e tirar-lhe a presidência do diretório local. Ou seja, é como se Rivadal fosse o Michel Temer e Osvaldo a Dilma Rousseff. Isso, vendo sob a perspectiva de Marcondes, claro.

Reviravoltas

Pode ser só conversa de bastidores, mas há quem diga que ao longo das próximas semanas o cenário partidário do Município terá novidades. Mas novidades daquelas dignas das melhores séries políticas americanas. Vamos aguardar.

Situação e oposição

Obviamente, até que seja iniciada oficialmente a campanha eleitoral de 2024, ainda surgirão muitos pré-candidatos a prefeito. Porém, quem é capaz de analisar o cenário local de maneira um pouco mais macro já crava que só existe espaço para dois projetos políticos com densidade: um que defenderá o legado da atual administração e que receberá as benções da maior figura política desta cidade, que é o prefeito Hissam Hussein Dehaini, e outro que terá a missão de concentrar os anseios da oposição a quem comanda a cidade atualmente. Todos os demais atores desse filme chamado “Eleições 2024” serão figurantes. Anotem aí!

Perdendo tempo

Nas reuniões que têm sido realizadas até agora o que se vê é uma insistência em tentar questionar a lisura do procedimento que contratou a Fundação Instituto de Administração (FIA) para estudo e formulação do pacote de leis e, até onde se sabe, não foi com esse objetivo que os projetos retornaram ao Executivo. Até porque a regularidade da contratação da FIA já é objeto de procedimentos em tramitação no Tribunal de Contas e no Ministério Público.

Responsabilidade

A recente decisão do Tribunal de Justiça do Paraná em considerar inconstitucional uma lei municipal que promoveu uma recomposição salarial aos subsídios dos secretários municipais de Araucária pode fazer com que a cidade acabe afugentando bons quadros para o seu primeiro escalão. Isto porque a realidade hoje é que muitos secretários, que tem a responsabilidade de administrar orçamentos de dez, vinte, cinquenta, cem, duzentos, trezentos milhões de reais recebem por mês menos do que aqueles cargos de Ensino Médio da Prefeitura, que foram beneficiados com reenquadramentos pra lá de benevolentes quando da aprovação do PCCV de 2006.

Baixo

Hoje, é fato que dependendo no know how do profissional, seja esse técnico ou político, ele precisa pensar muito bem para aceitar ser o gestor e ordenador de despesa de uma secretaria municipal. Isto porque os valores para o primeiro escalão de secretários já estão muito aquém do mercado e de outros secretários na região metropolitana de Curitiba. Importante lembrar que Araucária é o maior polo industrial do Sul do Brasil, e contribuiu com quase 10% da receita tributária do Estado. Assim, essa inconstitucionalidade que reduziu o salário do secretariado tende a provocar transtornos à gestão municipal.

Iniciativa privada

Comenta-se, aliás, que um dos quadros que deixou a administração municipal também em razão de vislumbrar melhores oportunidades na iniciativa privada foi Genildo Carvalho. Com 30 anos de vivência pública, trânsito na Câmara e Senado Federal (em Brasília) e também no Palácio Iguaçu e na Assembleia Legislativa (no Paraná), o ex-secretário de Governo de Araucária teria sido convidado para usar a expertise acumulada em mais de três décadas pelos mais variados espaços de poder em projetos de representação.

Notas políticas: Goura vem a Araucária defender pré-candidatura a prefeito de Fábio Alceu

Edição n.º 1382

Compartilhar
PUBLICIDADE