O ano é 1950 e a localização é a Praça Dr. Vicente Machado. Há décadas atrás, a praça central possuía várias construções e a maioria delas eram geminadas como ainda podemos verificar nos dias atuais. Algumas eram pequenas e feitas em madeira, outras como essa da foto eram grandes e possuíam sacadas. As construções mostravam bem o tempo de paz e tranquilidade que se vivia. As casas possuíam portas e janelas que davam direto para a rua, separada apenas pela calçada. Esse casarão foi um dos que mais tempo permaneceu com seus traços de construção, era um único espaço cujo proprietário residia no primeiro andar e as portas do térreo recebiam estabelecimentos comerciais.
Nesta foto podemos verificar dois estabelecimentos que há 70 anos atrás já tinham grande frequência. Na esquina havia uma Farmácia que tinha como responsável o Sr., Floresvaldo Forbeck, que era uma pessoa bastante conhecida por atender seus clientes em casa onde aplicavam-se injeções, o Sr. Floresvaldo ía até a casa, dos pacientes, possuía uma maleta onde levava o medicamento a ser aplicado junto com o aparelho da injeção e um recipiente de metal onde as agulhas e o aparelho eram fervidos para serem utilizados. Em seguida a primeira instalação da Bicicletaria dos Irmãos Stainczak, acredito que permaneceu ali até a década de 60 e atualmente possui sede própria em frente ao Cemitério Central.
Como podem ver, esta era uma única construção separada apenas pelas paredes, janelões e portas. Aqui tudo está modificado, essa construção há tempos veio sendo demolida e em seu lugar já foram construídos novos pontos comerciais, até que se tornaram uma vaga lembrança para quem viveu e conheceu neste tempo, e até recentemente quando as mais recentes chegadas foram na esquina com a franquia Mc’Donalds, seguido pela Ótica, e olhar atualmente podemos constatar que nada dos 70 anos passados permaneceu, apenas a lembrança.

Foto – acervo do Arquivo Histórico Archelau de Almeida Torres

Texto: Terezinha Poly

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe