Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Nesse mundo encontramos todo tipo de pessoa, mas há um certo tipo que nos incomoda e que, infelizmente, está em toda a parte. Não estou falando daquele que tira o pedaço maior do bolo para ele, que deixa o banheiro sujo, que quebra a árvore que a prefeitura plantou para embelezar uma rua. Poderia estar falando do pixador, do vândalo que depreda ponto de ônibus, do que entope o esgoto com lixo, do vizinho que liga o som alto ( geralmente de música de mau gosto ), do que mexe na correspondência dos outros, do que fala mal do semelhante quando ele mesmo não é exemplo para nada. Esses incomodam, mas todos terão o seu momento. A questão aqui é o abusador. Aquele que causa sofrimento, que pratica algum tipo de violência contra outro ser vivente.

Nós sabemos que isso tem solução, pois outros países e comunidades souberam lidar com eles e, se lá existem, pelo menos estão tão acuados que são obrigados a reprimir seus instintos bestiais. Podemos dizer que quem pratica violência contra um animal está igualmente disposto a praticá-la contra seu semelhante, só não o faz porque há consequências. Uma pessoa que maltrata um animal o faria tranquilamente contra uma criança, contra um deficiente, contra alguém mais fraco se tivesse oportunidade.

Nunca vamos resolver o problema da violência contra pessoas se não tratarmos simultaneamente da violência contra animais, pois em essência, o praticante é o mesmo. É uma pessoa que se sente impune o suficente para fazer e segurança no silêncio dos outros. Defender os animais não é besteira, a violência é parte de um todo e se manifesta de diferentes formas.

Muitos ditos psicopatas costumam atribuir seus atos a vozes que ouvem dentro de suas cabeças. É engraçado que essas vozes nunca ordenam a fazer o bem. Na verdade, querem atribuir a um pretenso ser maléfico aquilo que elas são. Se eles podem reprimir esses impulsos na frente da polícia ou seres mais fortes que eles, que são capazes de se defender, podem perfeitamente fazer isso a qualquer momento.

O melhor caminho para suprimir esses episódios de maus tratos a quem quer que seja é sempre manifestar o nosso repúdio, aplicar a lei e exigir o mesmo de nossas autoridades. Pense nisso e boa leitura.

Publicado na edição 1290 – 02/12/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

Que ano!

A edição de O Popular que você tem em mãos é uma edição que não

Que ano!

Assim como o ano de 2020, o ano de 2021 foi desafiador. Foi estressante. Foi

A penúltima de 2021

A edição de O Popular que você tem em mãos nesta quinta-feira, 9 de dezembro,

Começo, meio e fim!

Tudo na vida tem um início, meio e fim. E não é porque eventualmente não

Um herói araucariense!

Em circulação há 23 anos, O Popular é hoje um arquivo vivo da história de

Reflexão permanente!

Ao longo de todo o mês de novembro O Popular traz algumas matérias com o

Não existe segredo a dois

A publicação nesta tarde de quarta-feira, 3 de novembro, da sentença da segunda de nove