Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Moradores dizem que o material fresado deixou a via desnivelada e com buracos. Foto: Everson Santos

 

Moradores da rua Ludovina Furman, no Jardim Monalisa, estão reclamando das obras que a Prefeitura está fazendo por lá. O motivo seria a demora na conclusão, e ainda as condições da via após a colocação de pedras e piche, que não teriam fixado e resultado em muitos buracos. “A empreiteira está muito devagar, uma hora está aqui na Ludovina Furman, instantes depois estão na Thomaz Volski, e enquanto isso, a pavimentação não acaba nunca”, reclamou Ana Regina Fernandes da Silva.

Também indignado com a situação, outro morador que não quis se identificar comentou que a empreiteira está fazendo a obra por etapas, sendo que este seria serviço para poucos dias. “Isso tá uma vergonha, a cada chuva que cai, só piora. Até quando teremos que aturar essa bagunça e esse descaso? Estamos esquecidos’, comentou.

A Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP) explicou que o serviço acontece apenas na rua Thomaz Volski e refere-se apenas a recomposição asfáltica (manutenção) e não a um asfalto novo, e que a obra só foi paralisada porque a usina de asfalto precisou de manutenção. Na próxima semana deverá ser concluído o serviço na quadra. Sobre as pedras e piche, as quais os moradores se referiram, a SMOP esclareceu que na verdade é um material chamado “fresado”, produto da fresagem de asfalto. Porém, não é considerado asfalto, serve como material de base, como um saibro, cujo objetivo é nivelar a rua. Foi aplicado o material fresado nas ruas Ludovina Furman e Pedro Senko. A Secretaria Municipal de Obras informou ainda que há um trecho na rua Ludovina que deverá receber pavimentação CBUQ, mas depende da retomada das atividades na usina.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1153 – 07/03/2019

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM