Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Oi cumpre determinação da Anatel e não está cobrando pelas ligações  locais feitas em orelhões
Oi cumpre determinação da Anatel e não está cobrando pelas ligações
locais feitas em orelhões

Quem em algum momento da vida nunca precisou de um telefone público ao esquecer o celular em casa, perder o aparelho ou simplesmente quando a bateria do telefone móvel descarregou antes do previsto? Pois é, antes os orelhões eram indispensáveis na vida das pessoas, mas hoje eles são quase invisíveis, não só por serem cada vez menos solicitados, mas também pela depredação dos aparelhos e pela falta destes equipamentos nas ruas.

Mas a boa notícia é que esta escassez de aparelhos pode estar com os dias contados. A operadora não atingiu o patamar mínimo de disponibilidade de orelhões em 15 estados brasileiros, entre eles o Paraná, e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aplicou punições à Oi: ou a empresa arcava com uma multa diária de R$ 50 mil ou, então, providenciava chamadas gratuitas a partir dos orelhões. A operadora optou pela segunda opção e as ligações locais feitas para telefones fixos em orelhões da Oi já não estão sendo cobradas desde a quarta-feira, 15 de abril. Isso mesmo! A partir de agora, quem for utilizar o orelhão para fazer uma ligação local não precisará comprar cartão telefônico. A reportagem do Jornal O Popular fez o teste em um orelhão da cidade e comprovou a gratuidade.

Temporário

A Oi justificou que a medida é temporária e permanecerá em vigor até que os patamares de disponibilidade de orelhões nes­tes estados estejam nos níveis indicados pela Anatel. A disponibilidade da planta de orelhões deve ser de no mínimo 90% em todas as Unidades da Federação e de no mínimo 95% nas localidades atendidas somente por orelhões (acesso coletivo). Segundo a Anatel, na medição tomada em 31 de março a Oi não atingiu esse patamar nesses estados.

Estão previstas novas me­dições para 30 de agosto de 2015, 29 de fevereiro de 2016 e 30 de agosto de 2016 e a cada seis meses. Os telefones públicos que não alcançarem os patamares mínimos nessas me­­dições terão gratuidade também, a partir de 1º de outu­bro, para ligações de longa distância nacional. A partir de 1º de abril de 2016, a gratuidade se estende para telefones móveis com o mesmo DDD; e a partir de 1º de outubro de 2016, para os telefones celulares com DDD diferente.

FOTO: EVERSON SANTOS

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM