Pare para pensar!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Araucária é uma cidade com um orçamento anual na casa de R$ 1,8 bilhão. Exatamente! Quase dois bilhões de reais. Olhem só a quantidade de zeros dessa cifra: R$ 1.800.000.000,00. É muito dinheiro! É dinheiro que não acaba mais!

Justamente por isso, precisamos – sempre – termos boas pessoas administrando esses recursos. Vivemos num país que escolheu como regime gestacional a democracia representativa. Ou seja, os entes da federação são administrados por pessoas escolhidas pela população por meio do sufrágio universal.

No entanto, quando vamos as urnas, não escolhemos nossos representantes para um trabalho voluntário. Eles são remunerados para o exercício do cargo de presidente, deputados, senadores, governadores, prefeitos e vereadores. E precisam ser bem remunerados.

Em Araucária, historicamente, os valores pagos a prefeitos e vereadores sempre foram irrisórios diante das responsabilidades que eles tinham (ou deveriam ter) com a gestão da cidade, seja na execução das políticas públicas (tarefa do Poder Executivo) ou na proposição, análise e aprovação de leis e/ou fiscalização das contas públicas (tarefa do Poder Legislativo). Ao longo dos últimos anos, no entanto, houve um desnude por parte do Ministério Público das razões que talvez expliquem o porquê os políticos de carreira desta cidade não se preocupavam muito com o valor que oficialmente recebiam dos cofres públicos.

É essa conjuntura que impede que, a luz do bom senso, reprovemos reajustes aos vencimentos de quem ocupa cargos no Executivo e Legislativo. Prefeito, secretários, vereadores precisam ganhar muito bem. E precisam ganhar bem justamente para que possamos cobrá-los de maneira firme. Exigindo que façam seu trabalho de forma correta e se dediquem exclusivamente para a função o qual foram designados!

Tá, mas pode ser que você que está lendo esse editorial diga “mas esses políticos que estão aí não são adequados”. Olha, neste caso, o problema deixa de ser dos políticos eleitos e passa a ser daqueles que os elegeram. É justamente por isso que o legislador, quando concebeu a lei que permite o reajuste de subsídios, previu que a fixação sempre se dá para mandatos futuros e nunca os vigentes. Então, se você acha que os vereadores atuais não merecem ganhar R$ 12.661,10, não os reeleja em 2024 e vida que segue! A democracia é maravilhosa porque proporciona a alternância de poder e permite a cada cidadão comum contribuir para isso!

Compartilhar
PUBLICIDADE