Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Foto: Everson Santos

Os assaltos aos ônibus da cidade se tornaram frequentes. Os relatos de usuários preocupam, devido à truculência de alguns assaltantes. Nem mesmo em meio à crise sanitária enfrentada pela população ou risco de infecção pelo novo coronavírus, têm inibido os bandidos de agirem. “Meu irmão foi assaltado na linha Araucária/Pinheirinho. Os assaltantes tocaram o terror. Entraram no ponto da Avipec, em Curitiba, sentido Araucária, e depois do assalto desceram rumo ao bairro Vitória Régia”, desabafou uma moradora.

Os usuários que utilizam o transporte coletivo estão inseguros e revoltados, e pedem providências, já que precisam utilizar o sistema todos os dias. “Meu irmão, coitado, morador das casas da rede ferroviária, próximo ao Posto Cupim, não tem mais por onde voltar do serviço em paz. Se vem com o ônibus Araucária/Portão, é assaltado, se vem pelo Araucária/Pinheirinho, é assaltado. Até quando as autoridades vão ficar fingindo que não estão vendo nada? Trabalhadores ficando à mercê dos bandidos”, lamenta.

A Polícia Militar recentemente conseguiu prender um assaltante que aterrorizava passageiros em linhas do transporte municipal, graças a denúncias de testemunhas. “Não podemos estar em todos os lugares, então, dependemos dos chamados e da ajuda da população. Independente disso, a PM está sempre fazendo operações, visando coibir o número de assaltos a coletivos”, diz o tenente Ivan, comandante da 2ª Cia da PM de Araucária. Ele lembra que muitos casos não chegam ao conhecimento da PM, pois os motoristas e passageiros registram boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia, a quem cabe fazer a investigação.

As forças policiais, tanto a PM, quanto a GM e Polícia Civil, reforçam a importância da ajuda da população, uma vez que com a denúncia em mãos e o relato das vítimas, as chances de encontrar o bandido de forma rápida são muito maiores. Os fones de contato são: 190 (Polícia Militar. 153 (Guarda Municipal) e 3641-6000 (Delegacia de Polícia Civil).

Publicado na edição 1255 – 01/04/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM