Prefeitura confessa que deixou contrato do lixo vencer de propósito para fazer emergencial. Pela cidade, lixo já se acumula. Veja fotos

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Em nota publicada neste sábado, 8 de outubro, na página da Município de Araucária no Facebook, a Prefeitura admite que deixou o contrato de coleta de lixo com a Transresíduos vencer para que pudesse fazer uma contratação emergencial. A justificativa para tanto, conforme a nota, seria a constatação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) de que o acordo que estava em vigência não era vantajoso para a cidade.

 

Diz a nota: “Em tempos de crise, a Prefeitura de Araucária não apenas corta gastos, mas está revendo contratos para que o dinheiro público seja investido sempre com eficiência. Uma avaliação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente constatou que o valor investido no serviço de coleta de lixo estava muito acima do que é praticado em outros municípios. Como o contrato com a empresa Transresíduos estava prestes a ter fim, a secretaria decidiu que o melhor, em vez da prorrogação, seria realizar a contratação de uma nova empresa (de maneira emergencial) na certeza de que esta custará bem menos que a empresa até então contratada”.

 

Processo administrativo não foi respeitado

Ainda com relação ao imbróglio que se tornou a questão da renovação do lixo, nossa reportagem apurou que o novo secretário de Meio Ambiente, teria promovido algumas juntadas peculiares no processo administrativo aberto pela SMMA para prorrogar o contrato do lixo com a Transresíduos. O procedimento teria sido aberto ainda quando a titular da pasta era a advogada Rubia Baja, que, antes de deixar o posto encaminhou à Secretaria de Governo toda a documentação para renovação do acordo, inclusive, com orçamentos feitos pela pasta comprovando que o preço oferecido pela Transresíduos eram os mais vantajosos para a cidade. Haveria, inclusive, parecer da Procuradoria Geral do Município (PGM) concordando com a prorrogação.

 

Sabe-se lá por qual razão, tão logo o processo de renovação foi protocolado na SMGO com a documentação recomendando a prorrogação com a Transresíduos, Rubia teria sido chamada pelo prefeito Rui Sérgio Alves de Souza (PTC). Os detalhes desta conversa não estão bem claros, o que se sabe é que Rubia saiu de lá exonerada do cargo. A versão oficial, porém, dá conta de que ela pediu demissão.

 

Embora tenha sido exonerada naquele dia, os atos praticados por Rubia no processo de renovação com a Transresíduos permaneciam válidos e o acordo estava pronto para ser prorrogado, o que impediria que a cidade ficasse sem coleta de lixo comum, reciclável e hospitalar. Estranhamente, porém, houve um despacho naqueles autos determinando nova remessa à Secretaria de Meio Ambiente.

 

Ao chegar ao Parque Cachoeira, porém, embora a fase de juntada de orçamentos já tivesse sido vencida, o secretário “arrumou” outra empresa, que teria se disposto a fazer o serviço por um preço inferior ao da Transresíduos. Esta empresa seria uma tal de Azaleia. A partir daí, no entanto, as informações são desconhecidas, pois o atual secretário se recusa a dar esclarecimentos sobre o assunto por telefone e, em razão, de não estarmos em dia útil, o contato pessoal com ele está prejudicado. Enquanto isso, no entanto, a cidade segue sem coleta desde sexta-feira (7) e o lixo produzido por nossos moradores já começa a se acumular em lixeiras Araucária afora.

Texto: Waldiclei Barboza/ Fotos: Everson Santos