Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Reunião foi realizada no salão nobre da Prefeitura na tarde desta quarta-feira, 30 de junho. Foto: divulgação

Representantes da Prefeitura de Araucária se reuniram na tarde desta quarta-feira, 30 de junho, com a direção dos dois sindicatos que representam o funcionalismo municipal: Sismmar (Sindicato dos Professores) e Sifar (Sindicatos dos Servidores do Quadro Geral).

O objetivo do encontro foi discutir a pauta de reivindicações das entidades, que desejavam – entre outras coisas – que o Município enviasse à Câmara de Vereadores projeto de lei recompondo as chamadas perdas inflacionárias salariais do funcionalismo municipal referente de junho de 2019 a maio de 2021, além de reajuste de R$ 200,00 no auxílio-alimentação.

Durante a conversa, que ocorreu no salão nobre da Prefeitura, representantes das secretarias de Governo, Finanças, Planejamento, Saúde e Gestão de Pessoas explicaram aos sindicatos que as circunstâncias atuais do Município não possibilitam a concessão de qualquer tipo de reajuste salarial. Argumentaram que só a eventual implantação de reajuste alcançaria a casa dos 11%, gerando incremento à folha de pagamento do Município de R$ 3,5 milhões por mês ou R$ 42 milhões anuais. Com isso, essas discussões terão que ficar para o ano de 2.022.

Houve também a pontuação de que, embora o índice da folha de pagamento do Município esteja dentro dos limites legais, é preciso cautela administrativa na interpretação desses números. Outro detalhe que vem sendo considerado pela Prefeitura é que existe hoje nas secretarias um déficit de servidores que pode chegar a 700 pessoas. Quadros estes que serão contratados, gerando aumento no custo da folha de pagamento e do índice de gastos com pessoal.

Também durante o encontro houve a confirmação por parte da Prefeitura de que serão implantadas as promoções por titulação e qualificação que estavam congeladas. Só essa implementação gerará um aumento anual de R$ 8 milhões na folha de pagamento do Município.

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1268 – 01/07/2021

VEJA TAMBÉM