Notas Políticas: Primeirona do ano

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A Câmara de Araucária realizou nesta terça-feira, 7 de fevereiro, a primeira sessão ordinária
deste ano de 2023. Os trabalhos foram realizados de forma presencial no auditório da OAB local, já que a sede do Poder Legislativo segue em reforma.

Falas

Como toda primeira sessão ordinária do ano, esta também foi marcada pela fala dos vereadores com relação ao que pretendem fazer ao longo deste ano.

Dez

Dos onze vereadores que integram o parlamento, dez compareceram a primeira sessão do ano.
O único que não pode estar presente foi Celso Nicácio (PSD). Ele segue internado no Hospital do Rocio, em Campo Largo, tratando de um problema no fígado.

Elogio

De uma maneira geral, boa parte dos vereadores utilizaram a primeira sessão do ano para
destacar a forma como o prefeito Hissam Hussein Dehaini (Cidadania) vem conduzindo a cidade.

Críticas

Embora tenham enaltecido Hissam, alguns edis afirmaram que às vezes não têm sido muito bem recebidos pelos secretários, havendo – inclusive – questionamentos com relação as propostas que fazem e encaminham ao Executivo.

Conversa

Sobre eventuais situações em que secretários não atendam os vereadores, o presidente da Casa, Ben Hur Custódio de Oliveira (Cidadania) se comprometeu a promover reuniões específicas com os titulares dessas pastas para aparar as arestas.

Troca na direção geral

E ainda sobre a Câmara, a Casa tem novo diretor geral. Aliás, uma nova diretora geral. Karla Almeida Maia Bora foi convidada por Ben Hur para ser seu braço direito no dia a dia administrativo da Câmara. Formada em Direito e com especialização na área, ela já trabalhava como assessora no parlamento. Ao longo dos últimos anos atuou principalmente nas comissões técnicas do Legislativo, dando suporte aos vereadores em pareceres de projetos de lei e outras proposições.

Desafios

Um dos principais desafios da direção administrativa da Câmara ao longo deste ano de 2023 será a conclusão da reforma e ampliação da sede do Poder Legislativo. A obra já devia ter terminado, mas foram diversos os problemas encontrados no projeto que embasou a licitação. A própria atualização de alguns preços que compuseram a planilha inviabilizou parte dos trabalhos.

Nova licitação

E por conta dessas falhas no projeto original e defasagem de preços contratados, será necessário fazer um novo processo licitatório para concluir as reformas e ampliações do prédio da Câmara. Isto porque já não é mais possível fazer aditivo ao contrato original.

Compartilhar
PUBLICIDADE