Rodízio só será suspenso quando nível dos reservatórios chegar a 60%
Foto atual da represa, com muita água e vegetação verdinha, mas ainda longe do seu nível normal. Foto: Marco Charneski

As chuvas constantes que caíram nas últimas semanas acabaram dando a falsa impressão entre os araucarienses, de que o reservatório de água que abastece Araucária estaria cheio, e que por conta disso, o rodízio no abastecimento deveria ser suspenso. Mas essa não é realidade. Segundo a Sanepar, na manhã desta terça-feira, 2 de fevereiro, o nível de água nos reservatórios do Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba, que entre outras cidades também abastece Araucária, chegou a 46,86%. O volume não é considerado o ideal e é insuficiente para encerrar o rodízio de água. A companhia ressalta que o rodízio só deverá ser suspenso integralmente a partir do momento em que o nível dos reservatórios atingir, pelo menos, 60% da capacidade de armazenamento. Ainda assim, será feita uma avaliação das condições das chuvas para saber se o rodízio será mesmo finalizado ou se haverá alteração nos dias de suspensão e retorno do abastecimento.

A Sanepar explica que como toda a região metropolitana de Curitiba passou por um período de estiagem severa no último ano, mesmo com as chuvas dentro da média em dezembro e janeiro, ainda há um déficit de 300 milímetros de chuvas em relação à média histórica. A falta dessa chuva é que causa o impacto no nível dos reservatórios. “O SAIC tem que ter uma reserva para garantir abastecimento nos meses do outono e do inverno que são mais secos”, esclareceu a companhia.

Quase um ano

Rodízio só será suspenso quando nível dos reservatórios chegar a 60%
Foto tirada no mês de julho de 2020, quando a represa do Passaúna, em Araucária, atingiu um nível crítico. Foto: Marco Charneski

Em 17 de março, alguns bairros de Araucária, abastecidos principalmente pelo Rio Miringuava, entraram no rodízio. Entres eles o Campina da Barra, Costeira, Iguaçu e Tindiquera. Isso aconteceu porque o Rio Miringuava teve redução drástica da vazão. Os demais bairros entraram no rodízio junto com outras cidades da região metropolitana e todos os bairros de Curitiba, em 18 de maio.

Como resultado do rodízio, até o momento foram economizados 33 bilhões de litros de água em Curitiba e RMC. Se não houvesse rodízio e medidas de economia adotadas pela população, o abastecimento de toda a região abastecida pelo SAIC teria entrado em colapso no fim de outubro, quando os níveis dos reservatórios estariam em torno de 9%.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1247 – 04/02/2021

Compartilhe esta notícia: