Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Se já estava difícil conviver com os frequentes rodízios no fornecimento de água por conta da estiagem prolongada que afeta todo o estado do Paraná, agora, a situação ficará ainda mais complicada. A partir desta sexta-feira, 14 de agosto, a Sanepar vai adotar um novo modelo de rodízio no fornecimento em Curitiba e região metropolitana, com a redução do intervalo entre a suspensão e a retomada do abastecimento. A nova tabela foi dividida em três grupos de bairros (e não mais em cinco), e a população passará a fica um dia e meio sem água e um dia e meio com água (36 horas X 36 horas).

Segundo a empresa, a medida é necessária porque a forte estiagem afetou de forma drástica, os níveis dos reservatórios do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (Saic). O nível médio dos reservatórios chegou a 28,85%, o pior da história da medição da Sanepar. Os níveis de cada barragem estão em 10,55% no Iraí, 32,8% no Passaúna, 17,3% em Piraquara I e 83,3% em Piraquara II. O sistema de rodízio já vem sendo adotado pela companhia desde março, inicialmente para a região Sul de Curitiba e da região metropolitana, devido à baixa vazão do Rio Miringuava.

Em abril, o sistema foi estendido a toda RMC. Desde então, a cada dia um grupo de 750 mil pessoas, ou cerca de 20% da população, tem o fornecimento suspenso. Com a nova tabela, o grupo de pessoas que ficará sem água a cada dia, será ampliado para 1,2 milhão.

META 20

Além de alterar a programação do rodízio, a Sanepar está lançando a Campanha Meta20 para que a população economize 20% do consumo de água. “Esses 20% equivalem a 100 milímetros de chuva. Com 100 milímetros de chuva ou de economia da população, ganhamos um mês de reserva”, explicou o presidente da Companhia, Claudio Stabile. Ele destaca ainda que o engajamento da população é essencial para que os reservatórios não sequem. “A população pode economizar e fazer a sua parte. Com essa mudança de postura, adotando medidas de uso racional, cada cidadão vai nos ajudar a garantir a água nos reservatórios por mais tempo, mesmo sem chuvas”.

O objetivo é alcançar a economia de 20% em um mês com acompanhamento e análise de cenário a cada 15 dias. Se não houver redução de consumo e não chover no período de avaliação, existe a possibilidade de ampliação do tempo sem água, caso o índice dos reservatórios fique abaixo de 25%. Neste cenário crítico, a população poderá ficar 48 horas sem água e 24 horas com abastecimento.

O rodízio só será suspenso quando os níveis das barragens estiverem acima de 60% e as chuvas estiverem acima da média histórica. Segundo previsão meteorológica, este quadro só deverá ocorrer a partir de novembro.

Acesse o link http://www.aen.pr.gov.br/arquivos/1208rodizio.pdf e confira os dias em que faltará água no seu bairro.

Texto: Maurenn Bernardo

Foto: Marco Charneski

Publicado na edição 1225 – 12/08/2020

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM