Semana Municipal de Prevenção da Gravidez na Adolescência tem início no dia 30 de janeiro

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Entre os dias 30 de janeiro a 3 de fevereiro acontece em Araucária a Semana Municipal de Prevenção da Gravidez na Adolescência. São enquadradas nesse caso gestações que ocorrem entre os 10 e 19 anos. De acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), 115 adolescentes estão grávidas e fazendo o pré-natal atualmente nas Unidades de Saúde de Araucária.

A gravidez na adolescência oferece inúmeros riscos à saúde da gestante e do bebê, além de mudar completamente a vida das adolescentes, que passam a viver uma realidade com mais responsabilidades e obrigações. A vendedora Tassiane Coiado engravidou aos 16 anos e conta que interrompeu muitos sonhos para ser mãe: “Eu fui obrigada a antecipar minha vida adulta, interrompi muitos sonhos, hoje minha filha é adolescente e eu a oriento muito para que isso não aconteça com ela”.

De acordo com a Linha de Cuidados da Criança e do Adolescente da SMSA, um dos mais importantes fatores de prevenção da gravidez precoce é a educação, e os pais têm um papel fundamental na prevenção: “Faz parte da promoção do bem-estar ao realçar a importância do comportamento sexual responsável, o respeito pelo outro, a igualdade e equidade de gênero. Desta forma proporcionando conhecimento sobre as mudanças no corpo, proteção da gravidez inoportuna, a prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis, o HIV e as hepatites. E ainda a defesa contra violência sexual e outras violências”, explica Juliana Telles dos Santos.

A enfermeira diz ainda que, caso os pais não se sintam à vontade para falar sobre o assunto com os filhos, podem procurar a unidade de saúde ou agendar uma consulta com o enfermeiro, através do aplicativo Atende.net. Ela completa que os meninos também têm um papel importante na prevenção, tanto da gravidez, quanto das infecções sexualmente transmissíveis. “Por meio do uso do preservativo, respeito ao consentimento da parceria sexual e a responsabilização de uma possível paternidade”, complementa.

As unidades de saúde do município estão preparadas para dar suporte e atendimento aos adolescentes, tanto no sentido de orientar, quanto de fornecer métodos preventivos. Todas distribuem preservativos masculinos gratuitamente, bem como outros métodos contraceptivos, como a pílula anticoncepcional e a injetável. “No município contamos ainda com o DIU, que é um método contraceptivo seguro e pode ser inserido nas adolescentes, após avaliação, desde que ela já tenha tido relação sexual. Para a colocação do DIU é necessário a autorização do responsável, pois necessita de assinatura do Termo de Consentimento”, explica Juliana.

Para as adolescentes que queiram passar por consulta nas Unidades Básicas de Saúde, não é necessário irem acompanhadas ou terem autorização dos pais ou responsáveis, a partir dos 12 anos é possível realizar uma consulta desacompanhada, se assim desejar, sendo-lhe garantidos autonomia e direito ao sigilo, exceto em situações previstas em lei ou que guardem risco de vida ao paciente ou terceiros. A consulta orientativa e o início do uso do anticoncepcional não irão incentivar o início da atividade sexual, pelo contrário, é um método importantíssimo na prevenção.

“Sabemos que na nossa sociedade a maioria dos adolescentes não discutem com a sua família ou responsável sobre a temática. O primeiro passo para discutir prevenção é trabalhar com a conscientização, ou seja, ambos os sexos devem ser orientados sobre a relação sexual segura”, finaliza a enfermeira.

Compartilhar
PUBLICIDADE