Pesquisar
Close this search box.

Terezinha Poly: A Soba em 1949

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Em Araucária temos algumas grandes construções no centro da cidade, que já foram os grandes clubes que desenvolviam diversas atividades sociais com grande número de associados e um número muito maior de frequentadores.

Um destes clubes com certeza é a Sociedade Operária Beneficente de Araucária – SOBA. Localizado no Centro da cidade à Rua Dr. Victor do Amaral, durante décadas chegou a ser o mais popular e mais frequentado na cidade. Talvez não seja o SOBA o clube mais antigo da cidade, mas sua história vem de longa data. Na sua fachada está a data de 1949 como data de sua Fundação, mas, antes deste prédio ter recebido sua sede própria na Rua Dr. Victor do Amaral, o Clube desenvolvia suas atividades no Bairro Estação. Em frente a antiga estação ferroviária, na esquina das Ruas Geronin Durski com Pedro Pizzatto havia um barracão de propriedade de Dona Eufrosina Tyrka (in memorian), que era locado parte para a Sociedade Operária Beneficente de Araucária e parte para o Armazém do Waseko.

O armazém assim como a SOBA, também mudou o endereço, embora tenha ficado apenas do outro lado da linha da estrada de ferro. Quando a SOBA mudou endereço para sua sede o Sr. Wenceslau Jasiocha ou como era mais conhecido Sr. Waseko (in memorian) foi o seu Primeiro Presidente, era um dos mais ativos membros da Diretoria que trabalhou para a construção da nova sede e substituiu o então Presidente Sr. Máximo Cantador após a sua morte e com a impossibilidade do Vice Presidente Sr. Alderico Zanardini Ozório ter sido eleito Prefeito Municipal de Araucária. Com a ampliação do salão do clube e espaço suficiente para construção para outras atividades, a SOBA passou também a contar com pistas de jogo de Bocha, Futebol (aliás com um time detentor de vários títulos), Churrasqueira, espaço para ensaio e manter a Banda do Coronel Augusto Antonelo (excelente e deixou saudades) enfim, um clube como deveria ser mesmo.

Em seus salões foram realizados grandes bailes como: Carnaval, Rainha da Primavera, Festas Juninas, Bailes de Formatura, de Casamento, bailes do Chopp, Baile das Flores, enfim sempre havia um motivo para comemorar, mas, também aqui testemunhamos as diversas Posses de Prefeitos e Vereadores, que utilizavam este espaço para diante do povo prestar o juramento de posse, diversas reuniões com Professores, comerciantes, e quem teve o privilégio de poder provar os almoços, jantares e os bolos feitos pelas mãos da Dona Tita ou pela Terezinha Olivia Casanova (ambas de saudosas memórias), mas tudo isso já deixou de existir há alguns anos.

Com o tempo passando e modernizando ritmos e a frequên­cia, muitas mudanças ocorreram, mesmo com as atividades sempre em alta, outras deixaram de existir, a cidade se expandiu e o tipo de atividade da SOBA deixou de chamar atenção de seus usuários. Apesar de muitas pessoas ainda aguardarem que os salões voltem a ser como já foram, a SOBA encerrou suas atividades. Atualmente essa construção que vemos aqui na década de 90, é como um prédio fantasma dentro da cidade. Na porta de entrada levantaram um muro de blocos de cimento para impedir que pessoas abusem o local para fazer uso de substancias proibidas. Há muitos anos que os bailes não são realizados, os locais de posses políticas passaram a ser nos locais do título recebido, jantares, almoços, festas tem salões próprios e cada segmento de festa que havia no SOBA e mesmo em outros clubes da cidade já deixaram de existir, vindo assim a encerrar os clubes que eram poucos e agora só restam saudades. Pode ser que as futuras gerações encontrem um meio de reativar as atividades sociais e até reconstruir esse prédio que os anos já devem ter deixado suas estruturas frágeis e perigosas. Esse clube faz parte da História de Araucária, merece que seus associados olhem com mais carinho para manter suas atividades.

Edição n. 1373