Pesquisar
Close this search box.

Terezinha Poly: De louco o Sebastião não tinha nada!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Toda cidade é feita de detalhes que podem ser um lugar, um costume, mas na maioria das vezes são as pessoas que fazem parte destes detalhes e ficam marcadas para sempre na história do lugar. Araucária tem muitos detalhes, principalmente quando se trata de pessoas, e, uma delas era muito mais conhecido pelo seu apelido do que pelo seu nome real. Tratava-se do “Sebastião Louco”, que na verdade de louco não tinha nada.

Seu nome era Sebastião Pilatto, nascido na Cidade de Entre Rios no dia 08 de janeiro de 1911, residiu na localidade de Caximba quando se casou com Dona Francisca Pizzatto e vieram residir em Araucária, na Rua Presidente Carlos Cavalcanti, ao lado de onde foi construído mais tarde o primeiro Supermercado Condor, onde viveu até o final de sua vida. Durante sua vida foi um homem trabalhador que ficou conhecido na cidade por possuir uma carroça puxada por quatro belos burros.

Os animais eram bem tratados, sempre bem alimentados, seus pelos eram escovados diariamente e eram brilhantes, o que lhes rendia muitos elogios, cascos sempre tratados, e, quando saíam para o trabalho pela cidade com seu dono, a sua chegada era ouvida de longe. Como a existência destas verdadeiras lendas vivas ocorreram antes dos anos 90, antes que nossa cidade tivesse grande progresso e muitos veículos, as carroças eram o meio de transporte e trabalho mais comum em nossas ruas, mesmo com outras carroças andando pelas ruas a carroça do Seu Sebastião era reconhecida de longe, porque o trotar ordeiro dos burros e os sininhos que vinham enfeitando os animais eram ouvidos ao longe e o eco dos tlintlins chegava a animar todos que corriam pra fora das casas, onde vinha a carroça rápida e o Seu Sebastião respondendo ao cumprimento de todos, pois era muito estimado pela população e daí veio o seu apelido: Sebastião Louco. O homem estava sempre sorrindo ou dando gargalhadas e cumprimentando e brincando com todos com aquele seu inconfundível vozeirão, alto e claro, ele parecia sempre estar de bem com a vida.

Seu Sebastião era um homem que trabalhava todo dia, com sua carroça ele ajudou na construção da Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios auxiliando na colocação da Cruz da torre, na obra da Rodovia do Xisto também puxando materiais para o aterro.

Seu Sebastião e Dona Francisca tiveram cinco filhos, aos poucos os serviços foram rareando, já que os caminhões tomaram a vez das carroças, entre os diversos serviços da cidade, incluía também o transporte de lenha para as residências que ainda tinham fogão para aquecer o inverno, mas, também seus animais amados já não eram jovens e mereciam uma aposentadoria assim como o Seu Sebastião. Depois de tantos anos de serviço, a saúde já não era a mesma, assim aquele homem alegre, jovial, de vozeirão marcante, trabalhador, que sempre usava aquele chapelão e a inseparável guaiaca deixou de passar todos os dias pelas ruas da cidade, deixando uma saudade muito grande em todos que desde criança se acostumaram com ele, a carroça e os burros com sininhos.

Seu Sebastião Pilatto faleceu em 1990 aos 79 anos de idade, após uma cirurgia no coração, a sua lembrança permanecerá para sempre em nossas mentes, principalmente quando a foto é feita através de um quadro que havia nas casas e eram feitas por uma pintura através de fotografia, e o nosso respeito e admiração será sempre presente, porque esse realmente faz parte dos detalhes que fazem e constroem a história da Cidade de Araucária.

Edição n. 1366