Terezinha Poly: Os Invocados

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Os finais de semana em nossa cidade há muito não são os mesmos. Já tivemos muitos clubes e sociedades recreativas dentro de Araucária, que proporcionavam diversão e distração para todos. As sociedades dentro do perímetro central nos finais de semana tinham bailes nos sábados e saraus aos domingos.

Mesmo nos lugares mais afastados, ou melhor dizendo, nas colônias sempre havia instalações que se destinavam a receber as pessoas para realização de bailes e segundo muitos frequentadores, os bailes nas colônias eram os mais animados, mais simples e também mais divertidos, e não eram apenas os moradores da região que frequentavam, mesmo os moradores do centro ou de bairros mais distantes não deixavam de frequentar os bailes dos clubes das colônias. Para animar os frequentadores nada melhor que música ao vivo, e nesse quesito, sempre tivemos em nossa terra excelentes músicos, aqueles que conhecem bem o gosto musical de cada um, aqueles que atendiam pedidos como o Conjunto Os Invocados. Os músicos deste Conjunto eram moradores e trabalhadores dentro de Araucária, cada um deles tinha sua profissão mas nos finais de semana eram todos músicos e quantos bailes eles animaram, como dizem os antigos frequentadores dos bailes “o baile ia até o sol raiar” e esses músicos eram incansáveis.

Provavelmente esse baile seja mais um realizados nos anos 70 ou 80 e provavelmente esse clube já tenha deixado de existir, e suas instalações estejam muito prejudicadas, mas já viram muitas pessoas e já receberam muita música e diversão.

Os músicos vistos aqui sempre foram pessoas conhecidas e respeitadas dentro da cidade, amigos de longa data, eram unidos, e, hoje apesar do Conjunto não existir mais, cada um deles segue sua vida e algum como o primeiro à direita Vitor Storrer ou como era conhecido Vitinho hoje é de saudosa memória, ao seu lado está no baixo o Darci, em seguida no saxofone Cireno José Bello ou simplesmente Ciro – de branco – ao seu lado o Ipenor Baratto também no saxofone, era alfaiate mas encontra-se aposentado, na bateria Eduardo Ribeiro e o último à esquerda na guitarra João Maria Ribeiro.

Por muitos anos, tivemos bons bailes, bons clubes e boa música, infelizmente, não temos mais em Araucária, os bailes de mesma qualidade que havia no passado, aliás, também não temos mais clubes, nem sociedades ou instalações próprias para realizar bailes como já tivemos, daqueles que reunia amigos e família, comprava uma mesa e tínhamos momentos agradáveis de conversas e dança, talvez ainda tenhamos no futuro, apesar de dificilmente haverá música boa ao vivo.

Edição n.º 1385

Compartilhar
PUBLICIDADE