Pesquisar
Close this search box.

Tutores devem monitorar pets que costumam “frequentar” o banheiro da casa

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Quando criados dentro de casa, nossos animais de estimação geralmente têm acesso a todos os cômodos. O problema é quando eles criam o hábito de circular também pelo banheiro da residência, algo que deve ser monitorado pelos tutores, devido ao risco de possíveis intoxicações.

Para o veterinário Luciano Rodrigo Buch (CRMV/PR 17425), os tutores devem tomar todos os cuidados necessários para proteger seus cães e gatos. “Os pets são como crianças, principalmente os filhotes, são muito energéticos, então eles podem querer ver o que tem naquele local (vaso sanitário). Também é sabido que os gatos gostam de tomar água corrente, geralmente na pia do banheiro, e cães também gostam de ficar ali, por ser o local mais fresco da casa, então isso exige atenção por parte dos tutores, que devem estar sempre de olho neles”, explica.

Luciano reforça ainda que os vasos sanitários não contêm água limpa apropriada para o consumo do seu animal de estimação. Por isso, é necessário manter a tampa abaixada para que o cão ou o gato não possam acessar o assento. “Além dos problemas da água contaminada, os banheiros são higienizados com produtos químicos fortes, que podem ser tóxicos aos nossos pets, assim como os itens de higiene pessoal mantidos no cômodo”, ilustra.

O veterinário destacou ainda que não é preciso radicalizar e proibir a entrada dos pets em banheiros, porém a circulação deles nesse cômodo deve ser monitorada. “Além do banheiro, um lugar que também é arriscado para os pets é a lavanderia, onde costumamos guardar os produtos de limpeza. Devemos manter os mesmos cuidados que mantemos com uma criança. Não privamos a criança de ir no banheiro, mas sempre deixamos a tampa do vaso fechada, retiramos os cosméticos do seu alcance e tudo mais que elas possam ter acesso e se contaminar”, sugere.

Edição n. 1363