Veterinária explica reação de cadelinha ao reencontrar donos após 10 dias desaparecida

A dálmata Wendy voltou para sua família. Foto: divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Veterinária explica reação de cadelinha ao reencontrar donos após 10 dias desaparecida
A dálmata Wendy voltou para sua família. Foto: divulgação

A história da Wendy, uma cachorrinha da raça dálmata, que depois de ficar 10 dias desaparecida, acabou reencontrando os donos, comoveu muita gente nas redes sociais, mas também foi alvo de comentários maldosos por parte de alguns internautas. A cadelinha percorreu mais de 70km, distância que separa as cidades de Tijucas do Sul, onde fica a casa dos seus donos, até Araucária, onde foi resgatada. O problema é que no dia do resgate, Wendy acabou não esboçando a reação que muitos esperavam, de um cachorro que acaba de reencontrar os donos.

A veterinária Ieda Ohpis, que também é protetora independente, explicou que pelo fato de estar 10 dias perambulando, ter percorrido mais de 70km, ter passado fome e sede, a cadelinha reagiu de forma normal ao ver os donos. “Quando ela reencontrou os donos, estava cansada, assustada e com muito medo. Certamente os coxins (almofadinhas das patas) estavam machucados e é óbvio que o animal não poderia sair pulando. Mas eu assisti o vídeo do resgate e deu pra perceber que ela ficou feliz em ver os donos, se aproximou e eles passaram a mão nela”, disse.

Ieda comentou que já teve cães dálmata e entende o comportamento da raça. “Não é qualquer pessoa que pode se aproximar do animal ou passar a mão nele. Eles só deixam ser tocados após o comando dos donos. Quando alguém queria passar a mão no meu cachorro, eu tinha que ir primeiro, dizia que era amigo, mandava ele sentar e dava o comando, daí ele deixava. Então, se eles não fossem os donos, não teriam nem conseguido se aproximar do animal e não tem lógica a crítica de algumas pessoas, foi pura maldade. Mas apesar desse comportamento, os dálmatas são bem amorosos com os donos”, explicou a veterinária.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1295 – 20/01/2021