Você sabe qual o destino certo para as fezes do seu cachorro? | O Popular do Paraná
Você sabe qual o destino certo para as fezes do seu cachorro?
Fezes devem ser acondicionadas em sacolas reforçadas para evitar acidente com os coletores. Foto: Marco Charneski

 

Não há números exatos, mas estima-se que em Araucária, cães e gatos produzam, diariamente, várias toneladas de fezes. Tamanha quantidade, sem o devido descarte, pode acarretar problemas de saúde pública e danos ao meio ambiente. Mas afinal, qual deve ser a destinação correta para os cocôs desses animais? De acordo com o diretor do Departamento de Limpeza Pública da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Araucária, Hélio Luis Bzuneck, o ideal é que as fezes dos animais sejam descartadas pelo vaso sanitário, para que passem pelo tratamento da Sanepar.

Jogar no lixo comum também é uma alternativa, porque mesmo não sendo o ideal, o aterro sanitário está preparado para receber este tipo de material. sem poluir o solo. “Um outro método que as pessoas utilizam, mas está completamente errado, é deixar as fezes no chão e dissolvê-las enquanto lavam a calçada, deixando a água escorrer para a rua. Além do cheiro, existe o perigo de contaminações por moscas ou outros bichos”, orienta Hélio, lembrando que é preciso ter o cuidado de não jogar em uma quantidade grande para evitar o entupimento. “O correto também é não deixar o cocô secar, o ideal é jogá-lo no vaso enquanto ainda está mole” , acrescenta.

Se a opção for recolher os dejetos em sacolas plásticas e colocá-los para a coleta, recomenda-se que as mesmas sejam reforçadas, para evitar que rasguem durante o trabalho dos coletores. Também deve se evitar o acúmulo de fezes por vários dias, o correto é colocá-las na lixeira todos os dias em que há coleta. “Se deixar acumular por vários dias, as fezes fermentam, atraem moscas e aumentam o risco de acidentes com os coletores. Com as sacolas cheias demais, a probabilidade de arrebentarem e derramarem sobre os coletores é grande, infelizmente já tivemos ocorrências desse tipo. Quando acontece isso, o coletor avisa a central e um fiscal vai até a casa da pessoa para orientá-la, em caso de reincidência, retorna para notificá-la e em último caso, aplica-se uma multa, cujo valor pode variar entre R$ 200,00 a R$ 800,00”, esclarece Hélio.

Caso alguém presencie alguma situação que possa ameaçar a saúde pública, como exemplo, sacolas com fezes abertas nas lixeiras ou pessoas lavando calçadas para dissolver as fezes, a orientação é registrar uma reclamação na Ouvidoria da Prefeitura, na Central da Cidadania ou ainda no telefone do Meio Ambiente 3614-7480.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1165 – 30/05/2019

Compartilhe esta notícia: