Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

betaoejamaica
O presidente da Câmara, Wilson Roberto David Mota (PSD) e o integrante do movimento Cidade Símbolo, Rafael de Oliveira Francisco, o Jamaica, resolveram colocar uma pedra sobre a suposta declaração preconceituosa feita pelo primeiro durante a sessão plenária realizada na segunda-feira passada, 16 de maio.

Na oportunidade, Betão diz “tira foto daquele ‘negão’ com dinheiro. Manda o Maicon tirar”. A fala teria sido dirigida a Jamaica, uma das dezenas de pessoas que foram à Câmara naquela noite se manifestar contra o projeto de lei que fixava o novo quadro de cargos em comissão dos vereadores. Durante o protesto, os moradores de Araucária levaram cópias de cédulas de real com a cara de alguns dos edis.

A conciliação entre Betão e Jamaica aconteceu na quinta-feira (19), em reunião realizada na sala da Presidência da Casa, a qual contou também com a participação do presidente do Ibaf (Instituto Brasil-África), Saul Dorval Silva.

Conforme Betão, em nenhum momento ele quis se dirigir a Jamaica de maneira preconceituosa. O presidente afirma ainda que tudo não passou de um mal entendido, sendo que o pedido que fez à sua assessoria nem era dirigido a Rafael e sim a alguém que estaria do lado de fora da Câmara. “Minha assessoria me disse que havia um rapaz negro, distribuindo dinheiro do lado de fora da Câmara. Então, eu disse que era para eles registrarem isso. Mas, minha declaração não teve cunho preconceituoso. Jamais faria isso”.

Ainda segundo o presidente, embora não tenha se dirigido a Rafael, ele fez questão de se reunir com o jovem para que não houvesse qualquer mal entendido entre os dois. “Expliquei que minha fala não foi dirigida a ele, mas mesmo assim pedi desculpas caso ele tenha se sentido ofendido. Minha história em Araucária é de trabalho em prol de todos os que moram aqui e jamais diria algo em tom preconceituoso a qualquer morador. Ainda mais em razão da cor da pele da pessoa. Tenho dezenas de amigos, muitos deles negros e sempre fui um defensor das ações afirmativas, pois tenho consciência de que o Brasil tem uma dívida com a nossa população afro-descendente”, acrescentou o edil.

Ações

Na reunião de quinta-feira, Betão e Jamaica discutiram diversas ações que podem ser feitas pelo Poder Legislativo e outras que serão apoiadas por Betão com o objetivo de reforçar a luta contra o preconceito racial e também no desenvolvimento de políticas afirmativas em Araucária.

Entre as ações que serão encampadas por Betão e pela Câmara estão à efetivação da Semana da Consciência e Cultura Afro-Brasileira em Araucária, a aprovação de uma lei que obriga o município a colocar em todas as repartições públicas e também nos ônibus do transporte coletivo adesivos com a mensagem “Somos todos iguais. Diga não ao racismo”.

Para Jamaica, a conciliação acabou sendo a melhor opção para colocar uma pedra sobre o assunto. “Optei por transformar algo negativo numa ação positiva”, afirmou. Ele acrescentou ainda que não guarda mágoa com relação ao presidente da Câmara e que espera que Betão tenha aprendido o peso de uma malfadada declaração feita pelo chefe de um poder tão importante como o Legislativo.

Jamaica ressalta ainda que na conversa, além dos avanços obtidos na questão da luta contra o preconceito racial, houve o compromisso de Betão de brigar também por melhorias em projetos esportivos na cidade. “Ele se comprometeu a intervir junto ao à Prefeitura para a instalação ainda este ano de um ponto para a prática de Slackline ali na Praça da Bíblia e também nos ajudar a criar a Federação Paranaense de Basquete 3×3, além de ser nosso parceiro na busca por patrocínio e apoio ao time de futebol americano Araucária Jackdows”.

Texto: Waldiclei Barboza / FOTO: DIVULGAÇÃO

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM