As fortes chuvas que caíram nos últimas dias mudaram a paisagem dos reservatórios de água em Curitiba e Região Metropolitana. Em Araucária, por exemplo, o nível da barragem do Passaúna nesta quarta-feira, 6 de outubro, estava em 61,29%, uma realidade totalmente diferente que se viu há um ano atrás, quando a barragem atingiu o nível alarmante de 36,17%. O aspecto, que naquela época era semelhante a um deserto, hoje mais parece um imenso rio.
Mas apesar de trazer alívio para os sistemas de abastecimento de água que estavam em situação de alerta, as chuvas ainda não foram suficientes para acabar de vez com os rodízios. Segundo a Sanepar, a crise hídrica permanece, já que o déficit é grande e ainda há um verão pela frente, época em que as chuvas tendem a ser mais escassas.

O déficit de chuvas na Região Metropolitana neste ano está em 268 milímetros. Conforme registros do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a média histórica de chuvas de janeiro a setembro é de 1.041 milímetros na RMC, mas choveu 773 mm nesse período em 2021. Então, a ordem é que a população continue fazendo uso racional da água, para evitar que o rodízio, caso não chova o necessário, seja ainda mais drástico.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1282 – 07/10/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp